top of page

Conheça os filmes asiáticos indicados ao Oscar 2024

A ascensão das produções asiáticas rendeu indicações interessantíssimas ao Oscar deste ano. Confira a lista, onde os assistir e a opinião da crítica!


(Divulgação/A24/Master Mind Limited/Studio Ghibli)

Neste ano, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas — organização responsável pelo Oscar — surpreendeu ao indicar um total de sete filmes de origem asiática e/ou dirigidos e protagonizados por atores, atrizes e diretores oriundos da diáspora asiática.


Tal fato representa uma conquista para a indústria do cinema ocidental, que tem cedido gradualmente a filmes mais diversos e que representam grupos étnicos que por muitos anos foram vítimas de apagamento pela grande mídia. Como representantes da comunidade asiática no Oscar 2024, temos: Past Lives (2023), Perfect Days (2023), O Menino e a Garça (2023), Godzilla Minus One (2023), o documentário To Kill a Tiger (2022), os curta-metragens Nǎi Nai & Wài Pó (2023) e Our Uniform (2023).


A presença de filmes asiáticos em grandes premiações do cinema europeu e norte-americano tem se tornado cada vez mais frequente nos últimos anos devido a diversos fenômenos midiáticos e sociais. A popularização da indústria do entretenimento do leste-asiático — em especial, o Japão e a Coreia do Sul — tornou-se algo impossível de se ignorar frente ao fortalecimento do fenômeno da globalização através das redes sociais e plataformas de streaming


Além disso, a ascensão de pautas sociais em prol da representatividade e inclusão de pessoas de cor no cenário das artes e do entretenimento tem sido cada vez mais presentes nas grandes mídias. Afinal, a história do cinema europeu e norte-americano é manchada por inúmeros episódios racistas e produções que distorcem a realidade de diversos povos e países em prol de um discurso hegemônico carregado de preconceitos.


O surgimento do cinema de diáspora tem sido um ponto fora da curva para produções originalmente norte-americanas como Minari — Em Busca da Felicidade (2020), Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo (2022) e Past Lives (2023) os quais são resultados do trabalho árduo de diretores, atores e roteiristas de origem asiática. Muitos desses filmes contam com propostas relacionadas ao imaginário de imigrantes e seus filhos frente ao constante sentimento de não-pertencimento, algo muitas vezes experienciado por muitos artistas de cinema, frequentemente invisibilizados em favor de artistas brancos.




Past Lives (2023)


Indicado nas categorias de Melhor Filme e Melhor Roteiro Original, o longa-metragem de Celine Song estrelado por Greta Lee e Teo Yoo conquistou o público após seu lançamento devido à complexidade de um drama que mexe com sentimentos relacionados ao amor sem necessariamente ser um romance.


A trama explora os sentimentos complexos que circulam o imaginário do imigrante sul-coreano nos Estados Unidos, como uma espécie de ponte entre a origem coreana e a realidade como cidadão norte-americano. A metáfora das “vidas passadas” é expressa por meio de um amor de infância que interliga a protagonista Nora com seu amigo e antigo amor, Hae Sung. Atualmente, o filme se encontra disponível nos cinemas brasileiros desde o dia 25 de janeiro de 2024.


Apesar de muito apreciado e bem quisto pelos fãs de cinema, que consta com média 4,2 de 5 estrelas no Letterboxd e 96% de aprovação no Rotten Tomatoes — sites direcionados para crítica de cinema — é pouco provável que Past Lives (2023) saia vencedor na categoria principal e na categoria de Melhor Roteiro Original.


A baixa probabilidade de vitória não se dá por questões técnicas do filme, mas sim, devido à concorrência com favoritos da crítica — e da Academia — como Oppenheimer (2023) de Christopher Nolan e Poor Things (2023) de Yorgos Lanthimos que lideram em vitórias nas principais premiações do cinema norte-americano como o Globo de Ouro. Além disso, o concorrente de Past Lives (2023) como Melhor Roteiro Original é o muito bem quisto Anatomia de Uma Queda (2023) de Justin Triet, que tem sido aclamado pela crítica e vencedor do Globo de Ouro e da Palma de Ouro no Festival de Cannes.




Perfect Days (2023)


O filme de Wim Wenders foi indicado ao Oscar na categoria de Melhor Filme Estrangeiro e é o representante do Japão na edição deste ano. Apesar de ser dirigido por um cineasta alemão, Perfect Days (2023) trata-se de uma co-produção da Master Mind Limited (Japão) e Spoon Inc. (Japão) em conjunto com a Wenders Images (Alemanha) feita no Japão e roteirizada pelo próprio Wim Wenders em conjunto com o roteirista japonês Takuma Takasaki


Perfect Days (2023) narra a história do protagonista Hirayama — interpretado por Kôji Yakusho — um homem que trabalha como limpador de banhos públicos em Tóquio. O personagem aparentemente feliz tem sua rotina retratada através de seus passatempos e gostos pessoais, como música, fotografia e a natureza.


A trama explora temas como a solidão, fuga e busca de sentido na vida moderna enquanto revela gradualmente o complexo passado do personagem. O filme fará sua estreia nos cinemas brasileiros dia 29 de fevereiro de 2024, e logo após, fará parte do catálogo do MUBI.


Em meio a concorrentes tão impressionantes e profundos quanto, o longa japonês é destacado como uma aposta interessante para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro, principalmente após vencer o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes.


Contudo, é inegável uma grande preferência da premiação por filmes de guerra, e o concorrente inglês Zona de Interesse (2023) de Jonathan Glazer demonstra ter mais chances de se destacar na categoria graças a trama que se passa durante a Segunda Guerra Mundial. O espanhol Sociedade da Neve (2023) de Juan Antonio Bayona também parece um concorrente desafiador para Perfect Days (2023) por se tratar de um filme biográfico que trabalha efeitos práticos em conjunto com a densa trama.




O Menino e a Garça (2023)


O Menino e a Garça (2023) é o tão aguardado lançamento do Studio Ghibli, marca o grande retorno de Hayao Miyazaki ao cinema, exatamente dez anos após o lançamento de Vidas ao Vento (2013), seu penúltimo filme. O célebre cineasta é nada mais nada menos do que um dos fundadores do Studio Ghibli, famoso pelas sensíveis e detalhadas animações japonesas que marcaram a infância e a juventude de muitos apreciadores do cinema. A película foi indicada ao Oscar de Melhor Filme de Animação, sendo a chance de Miyazaki receber sua segunda estatueta, tendo em vista a vitória de A Viagem de Chihiro (2001) na mesma categoria a exatos 23 anos.


O longa de animação trata-se de uma aventura que explora a jornada do protagonista Mahito, um menino de 12 anos, que luta para se estabelecer em uma nova cidade após a morte de sua mãe. Após uma garça falante revelar que sua mãe continua viva, o garoto embarca em uma aventura cheia de mistérios e magia após torre abandonada que o leva para outro mundo em uma busca emocionante pela própria mãe ao lado da ave falante. O filme fará sua estreia nos cinemas brasileiros no dia 22 de fevereiro de 2024, com distribuição da Sato Company.


Diferentemente dos filmes mencionados acima, O Menino e a Garça (2023) tem fortes chances de vitória dentre os concorrentes, em especial, após a memorável vitória no Globo de Ouro deste ano. Apesar de ter fortes concorrentes como Nimona (2023) e o favorito do público Homem-Aranha: Através do Aranhaverso (2023), a crítica ainda considera o lançamento do Studio Ghibli como um grande vencedor em potencial.




Godzilla Minus One (2023)


O clássico longa-metragem propõe uma versão modernizada da trama do daikaijū — monstro gigante japonês — mais famoso do cinema global. Apesar de tratar-se de um personagem antigo do cinema japonês, o filme do diretor Takashi Yamazaki inova ao apresentar a figura do Godzilla para além da Tóquio extremamente moderna que conhecemos nos filmes anteriores, desta vez, o monstro gigante aterroriza a cidade japonesa já devastada após a Segunda Guerra Mundial.


Sendo produzido pela Toho Studios e Robot e distribuído pela Toho Co., Ltd., foi o 37º filme da franquia Godzilla, o 33º filme da Toho e o quinto filme da era Reiwa da franquia, Godzilla Minus One (2023) se consagrou como um dos filmes mais bem avaliados pela crítica do ano passado. A surpresa partiu dos surpreendentes efeitos visuais que renderam a indicação a Melhores Efeitos Visuais no Oscar 2024, mesmo com um orçamento tão baixo.


Na película, Yamazaki faz bom uso não somente dos efeitos especiais de ponta, como também sabe utilizar da alegoria do daikaijū para construir uma crítica social muito bem elaborada sobre a sociedade japonesa, utilizando da ferida ainda complexa da Segunda Guerra Mundial e os impactos da bomba atômica no país.


Apesar de se destacar internacionalmente, Godzilla Minus One (2023) compete com grandes blockbusters do cinema norte-americano como: Guardiões da Galáxia Vol. 3 (2023), Missão: Impossível - Acerto de Contas Parte Um (2023). Além dos bem sucedidos em bilheteria, o qual é o caso da ficção científica norte-americana Resistência (2023) e a narrativa histórica de guerra Napoleão (2023). As chances são bem divididas considerando a predileção da academia por filmes ocidentais e os Últimos ganhadores da categoria sendo produções exageradamente caras e grandiosas como Avatar: O Caminho da Água (2022) e Duna (2021).




Fala, cinéfilos de plantão! Assistiram a alguns desses filmes ou estão ansiosos para ver? Comente com o Café com Kimchi em nossas redes sociais!


88 visualizações

Comments


bottom of page