top of page

SooSoo Company e outros casos de idols que abriram suas próprias empresas de K-pop

Atualizado: 8 de jan.

A recente saída de D.O. da SM balançou a indústria e gerou dúvidas em fãs que não estão acostumados com esse fenômeno. Confira alguns dos casos!


(Divulgação/SM Entertainment)

No dia 18 de outubro de 2023, foi anunciado por diversos portais de notícias a saída de D.O. (EXO) da agência SM Entertainment, que coordenou sua carreira como idol e ator por aproximadamente 10 anos desde a estreia do EXO em meados de 2012.


A atitude acabou surpreendendo alguns fãs e admiradores que não estão acostumados com acontecimentos como estes na indústria. Em especial, devido às mudanças recentes nos contratos dos artistas da SM Entertainment que permitem o encerramento do contrato antes da data prevista caso o artista decida criar sua própria agência para administrar atividades individuais. E foi assim que surgiu a SooSoo Company, cuja gestão de carreira será feita pelo próprio Do Kyungsoo e seu antigo manager, Nam Kyungsoo.


No caso de D.O. e de muitos outros idols e grupos de K-pop, a saída do idol da agência responsável por gerir as atividades do grupo não tem relação direta com a interrupção das atividades do membro e sua permanência no EXO. O artista pode permanecer no boygroup, visto que suas atividades enquanto integrante permanecem sob administração da SM Entertainment que detém a propriedade do selo devido às leis de propriedade intelectual e os registros de marca.



Apesar de ser uma grande novidade para alguns, a atitude em questão não é nada recente na indústria do K-pop, já fazem alguns bons anos que grupos inteiros ou membros de grupos acabam optando por seguir rumos diferentes sem encerrar as atividades. Confira alguns desses casos e entenda o fenômeno que está dominando a indústria!




Lay (EXO)


(Divulgação/SM Entertainment)

O integrante chinês do grupo sino-coreano EXO tomou uma decisão diferente dos ex-membros do grupo ao optar por permanecer no boygroup mesmo após decidir não renovar o contrato com a SM Entertainment, que administrou a carreira de Lay de 2012 até 2022.


A decisão já era esperada levando em consideração o sucesso astronômico da carreira solo de Lay na China administrada pelo Lay Zhang Studio, cujas atividades iniciaram em 2015 com apoio da SM Entertainment para administrar as atividades individuais do integrante de forma independente na China, em especial, após o início do Hallyu Ban em 2017.


O bloqueio chinês ocorreu em resposta a decisão da Coreia do Sul acerca da implementação do sistema de mísseis balísticos THAAD na região sul da península com apoio direto dos Estados Unidos. As relações entre Coreia do Sul e China foram fortemente abaladas e ocorreu uma tentativa de contenção da disseminação da cultura pop sul-coreana no país.


Deste modo, Lay permaneceu afastado de atividades do EXO por muitos anos, mesmo sendo membro. Sendo assim, o multiartista passou a investir fortemente em sua carreira solo, na atuação e produzindo música ativamente. Ótimos frutos foram colhidos e Lay abriu a Chromosome Entertainment Group em 2020, na qual Lay ocupa a posição de CEO e produtor musical, além de participar diretamente na instrução dos trainees, sendo LE’V (Wang Zihao) o primeiro a debutar oficialmente pela empresa.


O integrante chegou a participar do disco especial de 10 anos de carreira do EXO, denominado “Don’t Fight The Feeling” em 2021 e informou em sua saída da SM Entertainment que permanece no grupo e deixa a empresa em bons termos, com a possibilidade de retorno para futuras atividades do grupo.



Baekhyun, Chen e Xiumin (EXO)


(Divulgação/INB100 Entertainment)

O trio incomparável que compõe a sub-unit EXO-CBX recentemente passou por mudanças contratuais após a controversa envolvendo os contratos exclusivos com a SM Entertainment em 2023. Após meses em meio a dúvidas quanto ao futuro do trio em relação a empresa, finalmente foram anunciadas novas atualizações com o anúncio oficial da abertura da empresa INB100 Entertainment, que tem Baekhyun como CEO e será responsável por administrar as carreiras individuais do trio.


Em nota, Baekhyun reafirmou seu compromisso com o EXO e com as EXO-Ls, anunciando a promessa de reviver a personalidade musical e as cores dos membros como um ponto de partida para as mais diversas formas de se comunicar com os fãs. Sendo assim, o nascimento da INB100 Entertainment é nada mais do que um suspiro criativo de Baekhyun, Chen e Xiumin, que continuarão no EXO assim como D.O. e Lay.


Donghae e Eunhyuk (Super Junior)


(Divulgação/SM Entertainment)

A dupla contagiante de integrantes do Super Junior e da queridíssima subunit Super Junior D&E também decidiu seguir caminhos diferentes no ano de 2023. Poucos meses antes da saída de D.O. da SM Entertainment, os membros Donghae e Eunhyuk optaram pela não renovação dos contratos com a empresa.


A amizade seguiu um novo patamar e ambos decidiram criar uma empresa juntos para administrarem suas respectivas carreiras individuais. Apesar de deixarem a empresa na qual permaneceram por aproximadamente 17 anos desde a estreia do boygroup em 2004, Donghae e Eunhyuk ainda permanecem como integrantes do Super Junior e estarão presentes na turnê comemorativa de 18 anos do grupo.



O integrante Kyuhyun foi o terceiro a optar pela não renovação, mas decidiu seguir um caminho diferente dos companheiros ao assinar com a Antenna, uma empresa do ramo do entretenimento responsável pela administração de carreira de artistas célebres como Yoo Jae Suk e Lee Hyori.


Kyuhyun permanece no Super Junior mesmo assim, um caso semelhante ao de Taecyeon e Chansung do 2PM, que não renovaram com a JYP Entertainment em 2018 e assinaram com agências diferentes para administração de suas carreiras solo.




Rain


(Divulgação/R.A.I.N Company)

O multi-artista sul coreano Rain estreou em 2002 pela JYP Entertainment como solista e abalou a indústria com suas canções e suas habilidades extraordinárias na dança e na performance. O cantor conta com uma discografia de 10 discos lançados, sendo apenas dois EPs e dois discos japoneses. Com o sucesso astronômico e as incontáveis ideias inovadoras, o artista acabou deixando a JYP em 2007, apenas 5 anos após sua estreia.


No mesmo ano, Rain chegou a assinar um contrato com a J. Tune Entertainment, uma subsidiária da CUBE Entertainment administrada na época por um ex-presidente da JYP Entertainment. Entretanto, o contrato não durou muito tempo e Rain deixou a agência em 2010, deste modo, sua carreira passou a ser administrada exclusivamente pela William Morris Endeavor, uma agência norte-americana que representa artistas em todas as plataformas de mídia, especificamente filmes, televisão, música, teatro, digital e publicidade.


Somente em 2015, Rain fundou sua própria empresa de entretenimento, denominada R.A.I.N. Company, que atualmente administra não somente a carreira multifacetada de Rain como também outros artistas. A agência chegou a estrear um boygroup denominado Ciipher através de um programa de sobrevivência em 2021, mas atualmente quatro dos sete integrantes deixaram a empresa e Keita passou a ser integrante do grupo EVNNE, composto por ex-participantes do Boys Planet.




SHINHWA


(Divulgação/Shinhwa Company)

O boygroup originalmente lançado pela SM Entertainment em meados de 1998, sendo composto até hoje por Eric Mun, Andy Lee, Lee Minwoo, Kim Dongwan, Shin Hyesung e Jun Jin foi um grande fenômeno no final da década de 90 e no início dos anos 2000. O grupo foi o sucessor do conhecidíssimo H.O.T e disputava frequentemente os holofotes com o SECHSKIES durante o período que compreende a 1ª geração do K-pop.


Em 2011, após uma dura trajetória e a não renovação de contrato com a SM Entertainment que gerou uma mudança para a Good Entertainment de 2004 a 2008, mantendo o selo original. O grupo acabou optando pela inovadora ideia de fundar a própria empresa, cuja gestão partiria dos próprios integrantes em cargos de poder e decisão. Sendo dirigida por Eric e Minwoo no cargo de CEOs, e os membros restantes como acionistas.


Foi a primeira vez na história da indústria que um grupo musical optou por gerir a carreira e manter o selo original de forma independente e com administração própria. Apesar disso, a atual Shinhwa Company só conseguiu os direitos da marca para nomear a empresa com o nome do grupo após 12 anos de batalha judicial, o grupo conseguiu plenos direitos sobre o nome “Shinhwa” em maio de 2015.


Mesmo sendo diretores de uma empresa própria, no caso do Shinhwa, as carreiras individuais dos integrantes estão sob gestão de diferentes empresas, fator que não implica nas atividades coletivas. O lendário boygroup é recordista mundial no Guinness Book por se tratar do único grupo musical de k-pop em atividade e com mais anos de existência sem alterações em sua formação original



HIGHLIGHT


(Divulgação/Around Us Entertainment)

O antigo BEAST gerenciado inicialmente pela CUBE Entertainment de 2009 a 2017 é mais um exemplo de grupos inteiros que decidiram manter as atividades coletivas em uma agência própria após a não renovação dos contratos de cada integrante. Entretanto, antes mesmo de optarem pela saída conjunta, Hyunseung deixou o grupo meses antes, sendo assim, o atual HIGHLIGHT passou a ser um quinteto até março de 2019 com a saída de Junhyung.


A não possibilidade de aquisição dos direitos de marca levou a decisão de alterar o nome oficial do grupo em referência ao último disco lançado por eles sob o selo CUBE, o álbum “Highlight” foi lançado em 2016 e marcou o fim de uma era para o BEAST e, posteriormente, o nascimento do HIGHLIGHT, composto atualmente por Doojoon, Gikwang, Yoseob e Dongwoon.


A empresa criada conjuntamente pelos membros é a Around US Entertainment que conta com todos os atuais integrantes do quarteto no corpo executivo e é responsável por administrar as carreiras solo e o grupo como um todo, diferentemente da Shinhwa Company.



Conhece alguns desses artistas? O que acha desse movimento de idols abrirem suas próprias agências? Comente com o Café com Kimchi em nossas redes sociais!



75 visualizações

Posts Relacionados

Comments


bottom of page