top of page

[Entrevista] BÉBE YANA fala sobre sua relação com a música pop no lançamento de "64"

Artista solo retorna neste mês de março após sua ascensão com "Space Mulan", iluminando a cena do hyper pop na Coreia do Sul


A cantora pop BÉBE YANA para a gravadora A MASS CULTURE.
(A MASS CULTURE/Divulgação)

A música pop sul-coreana é plural como qualquer outro mercado fonográfica no mundo. Para além da primeira camada do K-pop, gêneros se misturam e incorporam o eletrônico, o r&b, o hip hop e mais numa teia de lançamentos; e a solista Bébe Yana faz parte do espectro de artistas que representam uma geração que experimenta, se desafia e leva à audiência projetos que merecem o mainstream. 64, o mais novo single de Bébe lançado nesta segunda-feira (20), é a prova disso.


Após estrear no K-pop com o girlgroup EVOL, Bébe passou a trilhar o caminho solo a partir de 2017, desenvolvendo seu estilo que incorpora a new wave, o hyper pop e o drum & bass. E em 2022, a discografia da artista atingiu um novo patamar com o impressionante Space Mulan, EP de cinco faixas que trouxe a cantora ainda mais para os holofotes de novos ouvintes. Se você gosta de nomes como Charli XCX, Shygirl, A.G. Cook e Hannah Diamond, Bébe Yana é a próxima artista que precisa constar em suas playlists — o futurismo de seu trabalho leva para fora da Coreia a cena alternativa da música eletrônica que se faz presente no país.




Agora, a também compositora retorna com um release à altura dos projetos que fez até então, com produção do DJ coreano KHYO, que trabalhou anteriormente com o grupo WayV e solistas do K-hip hop como Woo e Mokyo. Bébe Yana pode ser considerada representante de um novo movimento underground na Coreia do Sul, e o Café com Kimchi falou com a artista a respeito de suas inspirações, gostos musicais e objetivos com sua arte; além de ter tido a oportunidade de ouvir a música 64 de antemão!


Veja a capa oficial de 64 a seguir, e confira a entrevista exclusiva com Bébe Yana logo abaixo:


(ag3mio @ Instagram /A MASS CULTURE/Divulgação)


Bébe Yana: "meu objetivo principal é criar algo que faça os outros se sentirem livres."


Café com Kimchi: Antes de tudo, obrigado por aceitar nosso convite, Bébe. Primeiro, nos conte um pouco sobre quando e como você começou a se interessar por música, tanto em cantá-la quanto criá-la. Quando você percebeu querer ser uma artista?


BÉBE YANA: Eu cresci ouvindo diferentes tipos de músicas, influenciada pelos meus pais, e fui introduzida à música ao aprender a tocar violino aos cinco anos. Então acho que sempre fui cercada por música. Até hoje, dançar e cantar são meus maiores prazeres, então a ideia de querer me tornar uma artista veio naturalmente. Adentrar a indústria como membro de um girlgroup de K-pop foi quando aprendi a criar música, e continuo a desenvolver minhas habilidades desde então.



Depois que você decidiu ser uma artista solo e continuar a buscar uma carreira, quais objetivos você colocou para si mesma? Que tipo de música decidiu fazer, e o que você quer contar por meio de suas composições?


Acho que hoje, eu quero experienciar muitos momentos especiais. Meu objetivo principal é fazer músicas que sejam experimentais, divertidas, e criar algo que faça os outros se sentirem livres, e isso também se aplica às composições. Apesar delas serem mais inspiradas no amor, eu foco mais em fazê-las soarem "livres" e legais.



A respeito dos gêneros musicais que você gosta mais, o que você curte ouvir? Quem são seus artistas favoritos hoje, tanto da Coreia do Sul quanto de fora?


Eu geralmente ouço mais música eletrônica. Recentemente, eu estou numa vibe mais calma e tenho ficado obcecada com uma artista chamada ELIZA.



E onde você consegue inspiração para o seu trabalho? Como você se inspira para moldar sua produção através da música?


Acho que sempre é diferente. Eu pessoalmente prefiro focar no momento, nas histórias que tenho no presente, nas emoções pelas quais estou passando. Na maior parte do tempo, a fonte vem do que me cerca. Eu também faço várias anotações que às vezes me ajudam a lembrar de certas memórias.



Sobre os gêneros musicais outra vez, nós podemos ver toques de hyper pop, EDM e R&B em suas músicas e visuais. Esses tipos de música te permitem ser mais criativa do que o cenário pop mais genérico?


Sim, eu acho. Eu gosto de ouvir canções pop mais usuais também. Mas quando o quesito é me divertir e experimentar com isso ou aquilo, acho que esse é o maior ponto forte que a música eletrônica possui.




Depois de seu último EP, Space Mulan, o público espera novas músicas suas! O que podemos aguardar de Bébe Yana em 2023?


Meu EP foi uma boa introdução ao que eu quero representar como uma artista. Com base nisso, eu quero tentar novos sons, diferentes tipos de gênero, e só curtir com a música.



Você acha que seu novo single, 64, será seu melhor lançamento até agora? Como ele será?


Particularmente acho que minha nova canção é a mais dinâmica até então. Eu quis mostrar uma perspectiva diferente, algo mais "sônico". Deixe eu te dar um exemplo. Sabe quando há certas peças de arte que são uma coisa, mas que podem ser algo diferente quando você foca em pontos diferentes delas? Acho que 64 é assim, e quando você sacar o que me refiro, poderá se divertir muito ouvindo ela.



E como tem sido para você criar novas músicas este ano?


Haverá mais elementos "dinâmicos" introduzidos no meu trabalho agora, e mal posso esperar para mostrar a vocês!



E sobre parcerias? Há algum artista com quem você deseja colaborar em algum momento? Na Coreia ou fora.


Quando se trata de colaborações, há muitas que sonho em fazer. Se eu tivesse que escolher apenas um músico no mundo, seria Pharrell Williams.


(A MASS CULTURE/Divulgação)

Descreva o seu trabalho de três formas, para alguém que acabou de conhecê-lo.


Y2K, experimental, e "Space Mulan".



E por último, mas não menos importante: o que a música significa, como um conceito e espaço de liberdade e criatividade, para Bébe Yana?


Significa "vida" para mim. É a coisa que mais me motiva, que me cerca e que me representa.



Escute 64 de BÉBE YANA logo abaixo, no YouTube e no Spotify:




Gostou da entrevista? Não se esqueça de acompanhar o Café com Kimchi também nas redes sociais!

103 visualizações

Comments


bottom of page