top of page

Quem fez primeiro? Conheça as tendências no K-pop e os grupos que as criaram

Atualizado: 22 de abr. de 2022

Itens como lightsticks e photocards não nasceram do nada no K-pop. Confira essas e outras criações de grupos de gerações anteriores que se tornaram populares!


(Reprodução/Google)

Tendência [s.f.]: aquilo que leva alguém a seguir um determinado caminho ou a agir de certa forma; predisposição; propensão.


Este é o significado da palavra “tendência” quando procuramos no dicionário e é a partir deste que nos guiaremos pelos próximos parágrafos. No K-pop que conhecemos atualmente, somos agraciados com diversos visuais, costumes e tendências que tornam o gênero ainda mais interessante para acompanhar e se tornar fã. Mas quem começou a fazer tudo isso?


O conteúdo abaixo não é sobre origem do K-pop — pois, sabemos que tudo começou com Seo Taiji and Boys, nos anos 90 — e muito menos sobre quem é mais famoso. É sobre legados e primeiras vezes que foram essenciais para consolidar atos que se tornaram populares e a maioria dos grupos e artistas solos replicaram posteriormente. Sem mais delongas, descubra os responsáveis por tendências tais como photocards, lightsticks e outras febres que as gerações anteriores trouxeram ao gênero.



Grupo de K-pop com integrantes estrangeiros (Super Junior)

(Reprodução/Google)

Hoje em dia, artistas tailandeses, chineses, japoneses, canadenses e até mesmo brasileiros podem entrar em um grupo de K-pop. E esta formação multinacional neste cenário musical existe devido a Super Junior! Enquanto os demais cantores no K-pop eram coreanos, Super Junior inovou ao adicionar integrantes chineses à formação.


Assim, Hangeng, Henry e Zhou Mi iniciaram suas carreiras na Coreia do Sul e sofreram muita xenofobia e boicotes na época. Ao contrário dos dois últimos mencionados, que faziam parte da sub-unit chinesa Super Junior-M, Hangeng era integrante do grupo original e, no período em que Super Junior debutou, a televisão coreana tinha a regra de que estrangeiros só poderiam aparecer em três emissoras — caso ultrapassassem o número de aparições, poderiam ser multados ou deportados para seus países de origem.


Para cumprir a agenda de shows e apresentações de Super Junior, Hangeng se disfarçava como dançarino, utilizando máscara para esconder o próprio rosto no palco, e os demais integrantes coreanos faziam lip sync em suas partes da música. Além disso, era comum que os integrantes chineses do grupo fossem ignorados pelas câmeras em music shows e até mesmo vaiados pelos “fãs”.


Lightstick (BIGBANG)

(Reprodução/Google)

Com formatos que vão de vegetais até bombas, lightstick é um dos itens mais cobiçados pelos fãs. O artefato luminoso utilizado em shows e apresentações é praticamente obrigatório para todos os grupos de K-pop e costumam carregar suas identidades visuais. Mas sabia que, antes de BIGBANG, esta preciosidade não existia?


Conhecido como Bangbong, o primeiro lightstick do K-pop é amarelo, tem o formato de uma coroa e foi desenhado por G-Dragon, líder do BIGBANG. A ideia era diferenciar, definitivamente, os fãs do grupo com o fandom de outros artistas — já que o sistema de “cores oficiais” dos fã-clubes podia confundir algumas pessoas. Desde então, a maioria das empresas replica a ideia, utilizando um design que combine com o conceito do grupo e sua legião de adoradores.


Photocard (Girls Generation)

(Reprodução/Google)

Para que os fãs vendessem “photocards raros” por preços exorbitantes, alguém tinha que criá-los, certo? E quem transformou em tendência esses pedaços de papéis que nos fazem tão felizes foi Girls Generation. Em 2010, o grupo feminino da SM Entertainment lançou o segundo álbum completo intitulado “Oh!” que, além do CD e algumas imagens, veio com nove pequenos cartões com fotos de cada integrante, todos autografados e com uma mensagem curta.


A ideia da SM Entertainment era dar um conteúdo extra aos fãs, algo que os fizessem comprar mais álbuns físicos. Felizmente para o capital da empresa, a deliciosa surpresa de adquirir um disco — e não saber qual foto exclusiva irá encontrar — deu certo. Assim, os demais grupos, da SM ou de outras companhias de entretenimento, adotaram as mesmas estratégias e consolidaram de vez o sucesso dos photocards.



Dance Practice (SHINee)

(Reprodução/Google)

Sabemos que coreografias e ensaios existem há muito tempo, antecedendo à criação do K-pop. Mas, quem costuma compartilhar vídeos desse momento em uma sala de dança, com roupas comuns, sem maquiagem, produção e o glamour da performance? Esta é uma tendência no K-pop que nenhum outro gênero tem o costume de divulgar para o público. Na música pop sul-coreana, quem iniciou o movimento proposital de publicar tais conteúdos foi o SHINee.


Com o lançamento de Replay, música de debut do grupo, os rapazes gravaram o ensaio de dança. O vídeo começa com Taemin posicionando a câmera no chão e correndo para a sua posição nos primeiros toques da música. Eles tinham, literalmente, uma sala escura, roupas largas e um sonho — e isso foi o suficiente para popularizar os dance practices no K-pop.


A grande sacada dos dance practices é mostrar a coreografia em um ângulo que dê para ver todos os integrantes, já que os music shows focam mais rostos e visuais. Assim, é possível até aprender a dançar junto. Com o sucesso do recurso, a SM Entertainment utilizou gravações semelhantes como conteúdo extra nos comebacks seguintes do SHINee e de outros grupos da empresa. Como esperado da companhia conhecida como “Big 3”, a prática se tornou viral!


Fansign virtual (EXO)

(Reprodução/Google)

Essa é, certamente, a tendência mais recente da lista. A pandemia de Covid-19 parou o mundo e impossibilitou reuniões com muitas pessoas no mesmo local, impedindo o acontecimento dos rotineiros fansigns, sessões de autógrafo com interação entre fã e ídolo. Em 2020, prestes a se alistar no exército, Suho, líder do EXO, começou uma série de encontros com os fãs por chamadas de vídeo.


Na época, estava promovendo seu primeiro álbum solo, “Self Portrait”, e seus fansigns virtuais incluíam também fãs internacionais — participações que costumavam ser menos possíveis quando o evento acontecia presencialmente. Dessa forma, o cantor conseguia falar com admiradores de todo o mundo e também enviava um álbum autografado para a casa dos participantes da dinâmica. E, obviamente, tal interação se popularizou entre outros idols.


Mudanças no cabelo a cada comeback (BIGBANG)

(Reprodução/Google)

Dessa vez, não viemos dizer que G-Dragon criou a tinta de cabelo — alguém chegou antes, senão ele teria inventado. Mas o artista foi o responsável por popularizar as cores espalhafatosas no cabelo e, consequentemente, a mudança radical de visual a cada comeback. Se hoje em dia rola aquele mistério de idols escondendo o cabelo nos aeroportos, lives e quaisquer aparições públicas antes de um novo lançamento, certamente é porque o BIGBANG fez primeiro!


Vale mencionar que o grupo criou muitas outras tendências utilizadas no K-pop hoje em dia, incluindo a possibilidade de ter carreira solo sem precisar dar disband no grupo e, também, a prática de produzir, compor e escrever as próprias músicas — algo que já era comum no mercado internacional, mas, no K-pop, era uma função exclusiva da empresa e produtores estrangeiros. Daria para fazer um dossiê gigante com todas as contribuições do grupo para o gênero.


Tem mais algo que vocês adicionariam na lista? Conta por aqui, no Twitter ou no Instagram do Café Com Kimchi!


1.135 visualizações

Posts Relacionados

bottom of page