top of page

Reflexão e desconforto na Netflix: 5 doramas que exploraram temas sociais em 2021

Atualizado: 20 de dez. de 2021

Relembre 5 k-dramas da plataforma internacional que fugiram do óbvio e trouxeram uma experiência ímpar para o público


(Divulgação/ Netflix)

Não é segredo para ninguém que as produções românticas são o carro-chefe dos doramas. Cada vez mais pessoas são atraídas ao universo da dramaland pelo enredo sedutor e divertido das séries que (quase) sempre são protagonizadas por um galã boa-pinta e uma mocinha cheia de atitude. Em 2021, não faltaram dramas assim, como Hometown Cha-Cha-Cha, Apesar de Tudo, Amor (Nevertheless) e Now, We're Breaking Up.


Mas 2021 também foi um ano cujo foco dos doramas esteve em questões sociais duras e, por vezes, desconfortáveis. Nesse sentido, ninguém trabalhou mais em levar temáticas reais às telinhas dos "dorameiros" do que a Netflix. Em meio a tantos lançamentos que apenas reproduziram uma fórmula de sucesso, a Netflix conseguiu se destacar através de séries questionadoras; e, não à toa, o maior sucesso do ano foi um dorama da produtora.



Round 6 (Squid Game) foi lançado em setembro de 2021 e logo se tornou o maior debut de uma série na plataforma, ultrapassando o sucesso da britânica Bridgerton (2020). Com mais de 111 milhões de fãs, os holofotes do mundo inteiro se viraram para a produção dirigida por Hwang Dong Hyuk, que retratou um grupo de sujeitos endividados dispostos a enfrentar brincadeiras mortais a fim de ganhar uma grande soma em dinheiro.


(Divulgação / Netflix)

A série protagoniza por Lee Jung Jae trouxe uma crítica clara à desigualdade de classes, à ganância no sistema capitalista e à fragilidade dos valores essencialmente humanos frente a situações de crise, miséria e desespero. Além de uma experiência audiovisual, Round 6 promoveu ao público a oportunidade de refletir sobre a sociedade na qual ele está inserindo, trazendo à tona questionamentos semelhantes aos vistos no vencedor do Oscar Parasita.


Também uma discussão atual, o movimento feminista foi palco para grandes produções da Netflix em 2021. Em meados de outubro, My Name estreou mundialmente com a atuação fenomenal de Han Sohee. O dorama dirigido por Kim Jin Min acompanha a busca implacável de vingança por Yoon Jiwoo, um mulher que assistiu à morte do pai quando jovem e que se junta à máfia coreana para encontrar o assassino.


Marcado por tensão do início ao fim, My Name provoca os telespectadores a questionarem o limite entre o bem e o mal, e impressiona ao ter no centro da discussão sobre moralidade a figura de uma mulher. O dorama também se destaca pela preparação física de Sohee para o papel, e configura na lista de 8 k-dramas com personagens femininas fortes e inspiradoras que o Café preparou no mês passado.


(Divulgação / Netflix)


Já trazendo uma temática mais doméstica — e, ainda assim, polêmica —, em agosto D.P Dog Day estreou na plataforma, com Jung Haein no papel principal. Com direção de Han Junhee, o dorama baseado em uma webtoon traz os bastidores do exército sul-coreano, ao qual todos os jovens todos os jovens no país precisam se alistar até completarem 30 anos de idade (incluindo os atores e cantores de kpop).


A produção da Netflix voltada ao público maior de idade foi renovada para a segunda temporada, e critica abertamente o sistema militar sul-coreano, tido como uma das instituições mais sólidas do país. Além disso, o dorama de seis episódio traz cenas chocantes, capazes de despertar aflição e empatia em qualquer um que assiste, seja este o primeiro contato com o que acontece dentro dos quartéis ou não.


(Divulgação / Netflix)

Voltando aos temas macro sociais, a estreia de Profecia do Inferno (Hellbound) abalou as convicções dos assinantes da Netflix. Lançado em novembro, o dorama retrata a aparição de seres de outro mundo, que se materializam para condenar e levar pessoas ao inferno. Com esta realidade, surge também um ceita que prega a justiça divina através de práticas fanáticas e terrivelmente ortodoxas.


Dirigido pela mente por trás de Invasão Zumbi Yeon Sang Ho, Hellbound dá à luz de um jeito próprio ao debate um tema que nunca perde a validade: o fanatismo religioso. A trama acompanha os extremos atingidos pela humanidade supostamente em nome de Deus, e causa indignação ao mesmo tempo que faz pensar. Além disso, o dorama mostra o impacto da desinformação e da disseminação de fake news nas redes sociais.


(Divulgação / Netflix)


Agora em dezembro, as expectativas são altas para a estreia de O Mar da Tranquilidade (The Silent Sea), que estreia no dia 24 e tem Bae Doona e Gong Yoo como protagonistas do dorama. A mais nova produção da Netflix irá acompanhar um grupo de astronautas que têm que deixar a Terra depois que o planeta se torna um gigantesco deserto. A direção é de Choi Hangyong.


Ainda que o enfoque seja a missão espacial do grupo, o plano de fundo para a história de ficção científica é a crise hídrica no planeta, e é impossível não associá-lo ao contexto social, às políticas falhas de preservação ambiental e às mudanças que as ações da humanidade causam na natureza. A Netflix liberou um novo trailer para a série no dia 9, e o que resta por hora é aguentar a ansiedade até o lançamento na véspera do Natal.



Comentarios


bottom of page