top of page

Por que alguns lançamentos de K-pop acontecem na sexta-feira? Tudo começou com a Beyoncé!

Atualizado: 15 de dez. de 2022

Álbuns como BORN PINK e Proof chegaram às plataformas digitais em uma sexta-feira, ao invés da usual segunda-feira de lançamentos no K-pop

(Reprodução/Google Imagens)

Nos últimos anos, muitas coisas mudaram no K-pop, principalmente a relação da indústria fonográfica coreana com o mercado norte-americano. A música pop na Coreia do Sul tem forte influência de outros gêneros musicais, conta com produtores sul-coreanos e estrangeiros e, em dado momento, encontrou cada vez mais oportunidades de expandir seu soft power para todo o mundo.


Artistas como PSY, Girls’ Generation, BIGBANG e Miss A abriram portas para o K-pop em premiações e mídias europeias e norte-americanas nos anos 2000, enquanto grupos como BTS, BLACKPINK e SEVENTEEN também ganharam grande relevância internacionalmente na última década. Com a expansão da música coreana no mainstream, algumas tendências populares na indústria ocidental têm sido utilizadas com certa frequência para lançamentos de K-pop — como pré-singles e mudança na data de estreia.


Geralmente, os principais lançamentos de K-pop acontecem em uma segunda-feira, às seis horas da noite na Coreia do Sul (e seis da manhã no Brasil). No entanto, grupos como BTS e BLACKPINK fizeram seus últimos comebacks em uma sexta-feira, geralmente uma hora da manhã por aqui. E, afinal, por que isso acontece?


A tendência ganhou força graças a Beyoncé


Em 2013, Beyoncé mudou a indústria com o lançamento surpresa de seu álbum autointitulado, em plena sexta-feira. Além de ter sido uma estreia inesperada, o disco também surpreendeu por não ter sido lançado em uma terça-feira, como era comum nos Estados Unidos de 2012 para trás.


Antes do lançamento de Beyoncé, as estreias de música aconteciam às segundas-feiras no Reino Unido e França, sexta-feiras na Austrália e Alemanha, enquanto os Estados Unidos reservavam as terças para trazer novas produções sonoras ao público — prática que acontece desde a década de 1980 no país norte-americano.


No período anterior à existência de plataformas digitais de streaming, havia a necessidade de manter um dia fixo da semana para entregar os discos físicos às lojas. Assim, as gravadoras tinham todo o fim de semana para imprimir, gravar, embalar e enviar os álbuns para que chegassem no “dia correto de lançamento” até as prateleiras.



Com o estrondoso lançamento do álbum Beyoncé, em 2013, uma série de discussões foram fomentadas na indústria. Em pesquisas feitas pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), 7.251 consumidores de música foram consultados e 68% deles afirmaram que preferem que as novas estreias sejam liberadas nas sextas ou sábados.


Assim, em 26 de fevereiro de 2015, foi decidido que sexta-feira seria o dia ideal para lançamentos globais. A unificação de uma data serviria também para diminuir os índices de pirataria, já que todas as estreias chegariam ao público simultaneamente. Na época em que o comunicado foi emitido, o CEO da IFPI, Frances Moore, declarou:


“Os fãs de música vivem no mundo digital de hoje. Seu amor por novas músicas não reconhece as fronteiras nacionais. Eles querem música quando estiver disponível na Internet — não quando estiver disponível em seu país. Um dia de lançamento global alinha e põe fim à frustração de não poder acessar lançamentos em seu país quando a música está disponível em outro."

No K-pop, as empresas com grande interesse no mercado musical global têm se adaptado à prática norte-americana de lançamento. Recentemente, álbuns como BORN PINK (BLACKPINK), Proof (BTS) e 2 Baddies (NCT 127) chegaram às plataformas digitais em uma sexta-feira, em conformidade com a esmagadora maioria dos artistas do mainstream internacional. Isso não significa que toda a indústria sul-coreana de música vai se adequar aos moldes dos Estados Unidos, mas é uma iniciativa para os artistas que estão mirando um mercado ainda mais amplo.


83 visualizações

Comments


bottom of page