top of page

1022 itens encontrados para ""

  • 5 outros dramas coreanos com o elenco de "Rainha das Lágrimas" para ver

    Além de "Queen of Tears", Kim Soo-hyun e Kim Ji-won já apareceram em outros K-dramas que estão no streaming (TVN/Reprodução) O K-drama Rainha das Lágrimas é uma das séries mais bem-sucedidas de 2024. Semana a semana, a produção da emissora TVN cresceu em audiência tanto na Coreia do Sul quanto internacionalmente, e se equipara a títulos como Pousando no Amor e Goblin. E um dos motivos para tal sucesso é seu elenco de nomes coreanos já famosos na dramaland. O ator Kim Soo-hyun, por exemplo, já explorou papéis diversos e até mais ousados. E o mesmo vale para a atriz Kim Ji-won. Se você gostou de Rainha das Lágrimas, que tal conhecer outros dramas com o elenco do seriado? O Café com Kimchi escolheu alguns títulos com os atores de Queen of Tears que você pode gostar, e que estão nos catálogos dos serviços de streaming! Para saber mais, continue lendo o post abaixo: Outros K-dramas com os atores de Rainha das Lágrimas para conhecer 1. Kim Ji-won: "Meu Diário para a Liberdade" (Netflix) (JTBC/Divulgação) A atriz Kim Ji-won, em Rainha das Lágrimas, interpreta a herdeira do conglomerado Queens Group chamada Hong Hae-in, que é uma das protagonistas — e ela também figura no centro do drama Meu Diário para a Liberdade. Nesta série coreana que está na Netflix, três irmãos originários da região fictícia de Sanpo Village estão insatisfeitos com suas vidas, e buscam por objetivos maiores que preencham suas rotinas com propósitos mais realizadores. Nisso, eles conhecem um homem misterioso chamado Mr. Gu (feito pelo ator Son Suk-ku), e a personagem de Kim Ji-won é quem fará o primeiro contato com ele; algo que mudará suas realidades. Este K-drama é perfeito para quem gosta de histórias mais tristes. 2. Kim Soo-hyun: "Meu Amor das Estrelas" (VIKI, MAX) (SBS/Divulgação) Se você gostou de ver o ator Kim Soo-hyun como prota em Rainha das Lágrimas, você pode ver uma versão dele mais jovem no K-drama de ficção científica Meu Amor das Estrelas. Aqui, o Soo-hyun estava no início da carreira! A história da série (presente no catálogo do VIKI e da ex-HBO MAX) mostra um alienígena que chegou na Terra há mais de 400 anos, quando a Coreia ainda existia sob a Era Joseon. O alien, que escolheu o nome de Do Min-joon, nunca se interessou muito pelos seres humanos, mas isso muda na era contemporânea. Na atualidade, o protagonista feito pelo Kim Soo-hyun se apaixona perdidamente pela atriz Cheon Song-yi (Gianna Jun), e ficará na dúvida sobre se envolver com uma terráquea. Confira esta lista: TODOS os dramas coreanos da Max, ou HBO Max, para você assistir 3. Park Sung-hoon: "Os Outros Não" (VIKI) (ENA/Divulgação) Vamos falar de dramas coreanos mais da comédia? O ator Park Sung-hoon, que em Rainha das Lágrimas é o personagem Yoon Eun-sung, também aparece na série Os Outros Não, disponível no VIKI. Aqui, acompanhamos o enredo das personagens Kim Eun-mi e Kim Jin-hee, feitas por Jeon Hye-jin e a Sooyoung do SNSD, respectivamente. Como mãe de Jin-hee, Eun-mi precisou amadurecer muito cedo por conta da gravidez na adolescência; e apesar de amarem uma a outra, as duas estão sempre com alguma discussão no ar — agora que Jin-hee está na fase adulta. As coisas vão ficar mais tensas quando, em seus respectivos empregos, elas precisarão lidar com novos colegas de trabalho, como o policial Eun Jae-won (Sung-hoon). 4. Kwak Dong-yeon: "Gaus Electronics" (VIKI) (ENA/Divulgação) Inspirado na história em quadrinhos de mesmo nome, Gaus Electronics é para quem deseja ver o ator Kwak Dong-yeon (o Hong Soo-cheol de Rainha das Lágrimas) numa trama puxada para a comédia também. A história do K-drama mostra o dia a dia do departamento de marketing da empresa Gaus, uma multinacional que atua, entre outros setores, no de eletrodomésticos. Apesar do comportamento explosivo e caótico dos funcionários, o que inclui as dinâmicas entre si, há o rapaz Lee Sang-sik (Dong-yeon). A presença de Sang-sik no escritório, com sua personalidade otimista e animada, será um contraponto aos colegas. Leia também - Amor e trabalho: 6 dramas com romance em escritório para você maratonar 5. Lee Joo-bin: "She Would Never Know" (Netflix) (JTBC/Divulgação) Para completar a lista de protagonistas de Rainha das Lágrimas, temos a atriz Lee Joo-bin, que faz a personagem Cheon Da-hye. Em 2021, Joo-bin também fez parte do elenco principal de She Would Never Know. Na trama, a protagonista Yoon Song-a (na pele de Won Jin-a) trabalha numa empresa de cosméticos, e a rotina do serviço a agrada perfeitamente; em paralelo, ela almeja criar sua própria marca no futuro. Enquanto isso, seu colega de trabalho, Chae Hyun-seung (um dos papéis feitos pelo Rowoon), começa a se sentir atraído pela moça, mas algumas questões poderão interferir no desenvolvimento desse romance. Você já viu algum dos dramas que citamos na lista? Nas redes sociais do Café com Kimchi, nós te damos mais notícias sobre Rainha das Lágrimas!

  • Show de Cha Eunwoo no Brasil acontecerá este ano com ingressos esgotados

    O ator e cantor estará pela primeira vez no país com passagem única por São Paulo em junho (Fantagio/Divulgação) Em mais um ano de incríveis novidades do K-pop no país, outro grande nome se prepara para pisar em solo brasileiro pela primeira vez. No caso, o cantor e ator Cha Eunwoo estará no Brasil com o concerto Just One 10 Minute: Mystery Elevator no dia 1º de junho, no Vibra São Paulo. Em atividade desde 2016 como membro do boygroup ASTRO, Eunwoo ganhou ainda mais notoriedade ao expandir seus talentos na atuação, estrelando K-dramas de sucesso, como True Beauty, Island e mais. E foi em fevereiro deste ano que o ídolo realizou sua estreia oficial como solista na música com o álbum ENTITY e iniciou a turnê do fan concert pelo mundo. Just One 10 Minute: Mystery Elevator é a terceira turnê da série de fan concerts de Cha Eunwoo. O cantor realizou sua primeira tour solo em 2019, a Just One 10 Minute, e depois em 2022 foi a vez da Just One 10 Minute: Starry Caravan. Para os fãs que não estão acostumados com este tipo de formato, os fan concerts nada mais são do que uma mistura de fanmeeting com shows. Ou seja, o público pode esperar mais interações do cantor com os fãs do que normalmente teria, além de muita música! Leia também: 3 razões para assistir "A Good Day To Be A Dog", nova comédia romântica lançada no Viki Turnê do Cha Eunwoo no Brasil acontecerá com ingressos 100% vendidos (Fantagio/Divulgação) Como dito acima, nós teremos o Cha Eunwoo no Brasil no dia 1º de junho para um concerto único da turnê atual, que será no Vibra São Paulo, casa de shows localizada no bairro Vila Almeida na capital paulista. E o local foi dividido em cinco setores: plateia, camarote, pista comum, premium e VIP (e VVIP) com preços que variam de R$ 200 a R$ 2600. E para sua passagem no nosso país, o Eunwoo arrasou: todos os setores do Vibra São Paulo tiveram os ingressos esgotados em questão de minutos. Atualmente, não há mais nenhum setor disponível para compra. Confira os valores disponibilizados para o show do Cha Eunwoo: VVIP: R$ 2600 (inteira) | R$ 1300 (meia estudante, professor, PCD e idoso) | R$ 1400 (meia social) VIP: R$ 1700 (inteira) | R$ 850 (meia estudante, professor, PCD e idoso) | R$ 900 (meia social) Pista Premium: R$ 800 (inteira) | R$ 400 (meia estudante, professor, PCD e idoso) | R$ 430 (meia social) Pista Comum: R$ 500 (inteira) | R$ 250 (meia estudante, professor, PCD e idoso) | R$ 270 (meia social) Camarote: R$ 700 (inteira) | R$ 350 (meia estudante, professor, PCD e idoso) | R$ 380 (meia social) Plateia: R$ 400 (inteira) | R$ 200 (meia estudante, professor, PCD e idoso) | R$ 230 (meia social) Leia também este post no site: "Aespa: World Tour In Cinemas" chega às telonas brasileiras em abril Benefícios inclusos nos ingressos mais caros do Cha Eunwoo no Brasil: VVIP: Sessão de hi-bye, passagem de som, credencial, entrada antecipada, postcard personalizado (exclusivo 15 pessoas aleatórias), photocard exclusivo e ingresso Pista Premium incluso; VIP: Passagem de som, credencial, entrada após o VVIP, postcard personalizado (exclusivo 15 pessoas aleatórias), photocard exclusivo e ingresso Pista Premium incluso; Demais setores: Photocard da turnê. Vale lembrar que ocorrerão sorteios de pôsteres autografados ao longo do evento também. Por enquanto, não há informações sobre uma possível data extra na vinda do Cha Eunwoo no Brasil. Serviço: Cha Eunwoo no Brasil na turnê Just One 10 Minute: Mystery Elevator Data: 1 de junho de 2024 (sábado) Local: Vibra São Paulo (Av. das Nações Unidas, 17955 - Vila Almeida, São Paulo - SP) Horário: 18h (abertura da casa) / 20h (show) Classificação: Menores de 14 anos somente acompanhados do responsável legal. Venda de ingressos online: Pixelticket (confira o site aqui)

  • Chief Detective 1958: Conheça o remake de série clássica dos anos 70 com Lee Je Hoon

    Produção que chega ao streaming pela Disney+ é prelúdio da série Chief Inspector, que foi ao ar nas décadas de 70 e 80 (Divulgação / MBC) Nem só de romance vive a dramaland, não é mesmo?! Para quem gosta de um bom suspense e principalmente investigações policiais, vai ficar interessado em saber sobre o novo projeto da MBC. Chief Detective 1958 é mais um lançamento do mês de abril com estreia marcada para 19 de abril no Disney+ e protagonizado por Lee Je Hoon, ator de Taxi Driver (2021) e A Caminho do Céu (2021). O drama é um prelúdio da série Chief Inspector, que foi ao ar nas décadas de 70 e 80 e fez muito sucesso na época e chegou a ter mais de 800 episódios. Agora o remake traz um elenco um pouco mais jovem e a direção de Kim Sung Hoon, conhecido por longa-metragens de ação como Rampant (2018) e Missão Secreta (2017), pelo qual venceu o prêmio de Melhor Diretor. Já o roteiro ficou nas mãos de Park Jae Bum, autor de Good Doctor, drama de 2013 que posteriormente ganhou um remake estrelado por Freddie Highmore nos EUA; que tornou a história mundialmente conhecida. Assim, para saber mais sobre Chief Detective 1958 que traz nomes de peso, confira a matéria completa após a publicidade! Quatro detetives contra a corrupção Ambientada na Coreia do Sul da década de 1950, a trama traz Lee Je Hoon como a versão jovem de Park Young Han - anteriormente interpretado por Choi Bool Am - um detetive idealista com uma forte crença na retribuição, e que possui um recorde impressionante de prisões de ladrões menores. No entanto, ele não consegue evitar se sentir frustrado com o desrespeito pela dignidade humana, que muitas vezes testemunha por parte dos seus colegas, o que o leva a ter dificuldades com o seu trabalho na força policial. Leia também: Conheça "Lovely Runner", novo K-drama de romance com ator de "Garota do Século 20" O desenrolar de Chief Detective 1958 ganha forma quando Han é transferido para a cidade de Seoul, depois do destaque que conquistou por sua atuação na província em que trabalhava. Ao seu lado estão três colegas carismáticos: Kim Sang Soon, Jo Kyeong Hwan e Seo Ho Jung. Juntos, eles buscam desmantelar as normas da corrupção que prevalecem em sua época e período de agitação política, que deixa a situação ainda mais complexa. No primeiro teaser divulgado, é possível ter uma noção do estilo de ação que veremos em Chief Detective, com cenas onde Han se mostra determinado a capturar todos os criminosos que for encarregado de encontrar, com direito a perseguições e lutas corporais. Conheça melhor o elenco e equipe do k-drama Como mencionado, Lee Je Hoon será o responsável por trazer de volta à vida o personagem que uma vez foi de Choi Bool Am, ator veterano que começou sua carreira durante a década de 60. O momento da passagem dos papéis foi registrado com o encontro de ambos durante evento promocional no drama, o que deixou o público feliz em vê-lo nos holofotes novamente. (Divulgação / MBC) Além de ter participado do elenco de Taxi Driver e A Caminho do Céu, Je Hoon também ficou conhecido por seu trabalho em Signal (2016) e Tomorrow With You, onde fez par romântico com Shin Min A. Ao longo de sua trajetória ele foi indicado mais de uma vez ao prêmio de Melhor Ator e chegou a levar para casa o troféu por seu papel no drama musical My Paparotti (2013). Um de seus parceiros na história é interpretado por Lee Dong Hwi, ator que participou de obras como Reply 1988 e o longa Broker - Uma nova chance, estrelado por IU e Song Kang Ho. Já os atores que desempenham o papel dos outros dois detetives, Choi Woo Sung - ator rookie - e Yoon Hyun So, já integraram o elenco de títulos como My Roommate Is a Gumiho e Um Bom Dia para Ser um Cachorro. (Divulgação / MBC) De fundo é possível que também haja espaço para um romance do protagonista com Lee Hye Joo, personagem da atriz Seo Eun Su (de Desbloqueando o Chefe) que aparece em imagens divulgadas pelo estúdio da produção e que você pode ver na imagem acima ao lado de Je Hoon. Diferente da maioria, Chief Detective 1958 deverá ter 10 episódios no total que serão liberados duas vezes por semana, com previsão para estar completo em 15 de maio. Quer ficar por dentro dos lançamentos de K-drama? Então fique de olho no site do Café Com Kimchi e siga nossas redes sociais!

  • Hangyeom do OMEGA X estreia como ator na adaptação do webtoon BL “Jazz For Two”

    Uma das mais populares obras do Lehzin chega às telinhas com um elenco que faz jus a trama musical sobre autodescobrimento (Divulgação / Lehzin) Não foi uma pegadinha! No dia 1º de abril de 2024, Hangyeom (OMEGA X) fez sua estreia como ator na mais nova adaptação para k-drama de um dos mais populares webtoons sul-coreanos da plataforma Lehzin no ano de 2017. O romance Jazz For Two é uma trama boys love que narra a história de Taehy e Seheon, dois  estudantes do ensino médio que lidam com as pressões da juventude enquanto frequentam uma escola de artes. Com uma trama sobre autodescobrimento, juventude e amor pela música, Jazz For Two já conta com 8 episódios disponíveis na plataforma iQIYI, no entanto, ainda não se encontra disponível para streaming de forma oficial no Brasil. O Café com Kimchi reuniu alguns detalhes exclusivos sobre o k-drama e a participação de Hangyeom para matar a curiosidade daqueles que mal podem esperar para conferir Jazz For Two com legendas em português em um futuro próximo. Leia também: Já está sabendo? Confira 5 dramas BL de 2024 que você precisa assistir Uma história de amor e música capaz de conquistar fãs de Given (2013-) A adaptação do webtoon e da webnovel original de mesmo nome de Keul Rajyu e publicada originalmente no ano de 2017 na plataforma Lehzin, responsável pela publicação online de diversas produções independentes, o drama veio ao ar no início do mês de Abril de 2024, exatamente 7 anos após a publicação original. Com um elenco robusto, a trama explora jovens estudantes aspirantes a músicos que têm seus destinos cruzados pela rotina caótica do ensino médio, o amor pela música e os processos individuais e coletivos de autodescobrimento. Protagonizado por Han Taeyi (Ji Hogeum), Yoon Seoheon (Kim Jikwon), Song Jongha (Kim Jungha) e Seo Doyoon, interpretado por Hangyeom do OMEGA X. Uma trama um tanto semelhante é explorada no popular mangá Given (2013) escrito e ilustrado por Natsuki Kizu, cuja publicação é realizada de forma bimestral pela revista de mangá Cheri+ desde 2013. O mangá explora a jornada de autodescobrimento e o florescer de sentimentos amorosos entre rapazes apaixonados pela música que acabam formando uma banda independente, protagonizada, em especial, pelo casal formado por Ritsuka Uenoyama e Mafuyu Sato. Leia também: [Entrevista] Omega X declara vontade de vir ao Brasil e revela expectativas para o futuro Apesar de Given (2013-) ter sido adaptado inicialmente para anime pelo estúdio Lerche, a obra já conta com um “dorama” (do japonês: ドラマ) lançado em 2021 para fãs que preferem séries no formato live action ao invés da animação. Por se tratar de uma obra japonesa, Given (2013-) se diferencia de Jazz For Two (2017) na classificação de sua categoria, afinal, no japão utiliza-se o termo “yaoi” (do japonês: やおい) para classificar o gênero de mídia fictícia exclusivamente japonesa cujo foco são as relações homoafetivas entre dois homens. Enquanto Jazz For Two (2017) se encaixa na classificação “Boys Love” (BL), utilizada majoritariamente para enquadrar produções ficcionais da Ásia que buscam focar nas relações amorosas entre rapazes. Uma oportunidade multifacetada para Hangyeom (OMEGA X) Em sua estreia como ator, Hangyeom interpreta um baterista divertido e otimista que, assim como os outros protagonistas, também é estudante da Wooyeon Arts School que esconde uma paixão secreta de longa data por um dos colegas. A escolha do vocalista do OMEGA X para o papel não se trata de uma coincidência, mas sim, de uma experiência positiva com o diretor Song Sulim, responsável pela adaptação de Jazz For Two (2024) e do BL A Shoulder To Cry On (2023), que contou com a participação do OMEGA X na performance e na composição de três canções originais para a trilha sonora. Sem contar, é claro, as habilidades musicais impecáveis de Hangyeom, que o tornam uma escolha mais do que essencial para interpretar um jovem músico. Para alegria dos FOR X ao redor do mundo, o boygroup não ficou de fora da trilha sonora de Jazz For Two (2024), que conta com uma canção original cantada e composta por Hangyeom e Jaehan, a faixa já se encontra disponível em todas as plataformas digitais.

  • "Aespa: World Tour In Cinemas" chega às telonas brasileiras em abril

    Filme-concerto do girlgroup da SM Entertainment será exibido pela rede Cinépolis (Divulgação) Os My brasileiros terão a chance de ver o aespa, mas dessa vez não nos palcos, e sim nas telonas! O quarteto da SM Entertainment terá seu filme-concerto Aespa: World Tour In Cinemas transmitido pela rede Cinépolis nos dias 24 e 27 de abril, e você não pode perder essa chance. Confira todas as informações a seguir. Leia também: [Crítica] No mundo real, o aespa está de volta com "MY World", um excelente mini álbum O longa-metragem Aespa: World Tour In Cinemas foi dirigido por Yoon Dong Oh e Hamin Kim, e será um filme-concerto que mostra a estreia do girlgroup no Reino Unido, passando pela grandiosa O2 Arena de Londres. O concerto aconteceu durante a turnê LIVE TOUR 2023 SYNK: HYPER LINE, que passou pelo Brasil no mês de setembro de 2023 promovendo o mini-álbum MY World. Além de performances do grupo com hits como Next Level, Savage, Girls e Black Mamba, e apresentações solo do quarteto, você poderá ver entrevistas e bastidores exclusivos com Winter, NingNing, Giselle e Karina vivenciando e relatando como foi a experiência desse grande momento de suas carreiras. O filme contempla o quarteto que carrega um conceito consolidado e o universo narrativo único da SM Entertainment, o Kwangya. E além disso, Aespa: World Tour In Cinemas mostra como o grupo conquistou e tem conquistado cada vez mais Mys para seu fandom desde seu debut que aconteceu em . Leia também: Universo do aespa em Kwangya: O que é "naevis" e seu significado? Onde assistir? Aespa: World Tour In Cinemas tem o total de 126 minutos será exibido em algumas cidades brasileiras pela rede Cinépolis nos dias 24 (quarta-feira) e 27 (sábado) de abril. Confira abaixo se sua cidade faz parte das localidades que o filme será disponibilizado, e os horários de exibição disponíveis: Cinépolis Manaíra Shopping (João Pessoa): dia 24/04 às 19h e 27/04, às 15h; Cinépolis RioMar Fortaleza (Fortaleza): dia 24/04 às 19h e 27/04, às 15h; Cinépolis Metrô Itaquera (São Paulo): dia 24/04 às 19h e 27/04, às 15h; Cinépolis São Bernardo Plaza (São Bernardo do Campo): dia 24/04 às 19h e 27/04, às 15h | 4DX dia 24/04 às 19h30 e 27/04, às 16h Cinépolis JundiaíShopping (Jundiaí): dia 24/04 às 19h e 27/04, às 15h Para adquirir o ingresso na pré-venda, basta acessar o site da Cinépolis!

  • Por que assistir "Missing Crown Prince", K-drama de época com o Suho do EXO?

    Enredo com mistério e comédia, presença de novos atores no elenco e "Suho Príncipe" te levarão a ver o drama coreano (MBN/Divulgação) Sim, ele voltou! Depois de brilhar na Netflix como um dos protagonistas de Behind Your Touch, o Suho do EXO retorna com mais um papel principal em K-dramas. No caso, o artista estará na produção Missing Crown Prince, que estreia neste mês de abril de 2024. E para a felicidade de todos nós, o drama coreano estará disponível no streaming em breve. Aliás, você já sabe qual é o enredo da série de época? Missing Crown Prince promete ser uma mistura de comédia, mistério e até mesmo thriller, enquanto um príncipe herdeiro enfrenta desafios assim que se torna vítima de um sequestro; e seu raptor é um personagem bastante inusitado. Leia também: Conheça mais 10 K-dramas de comédia com enredos de época, além de "Os Casamenteiros" Logo abaixo, nós te contamos mais a respeito do drama inédito com o Suho, e listamos alguns motivos para assistir à novidade da emissora MBN. Confira! Razões para ver o drama coreano de época Missing Crown Prince: 1. Suho estreia como príncipe na Era Joseon Em Missing Crown Prince, o Suho vai adicionar um novo tipo de personagem na lista de figuras que ele já fez em K-dramas. O cantor e ator será o príncipe herdeiro Lee Gon, sequestrado na Era Joseon por figuras próximas ao seu ciclo social. Nos trailers do drama coreano, é possível identificar uma personalidade forte, carismática e também indecisa em Lee Gon. Diante do crime contra sua figura da realeza, o personagem de Suho estará determinado a descobrir quem armou a emboscada, e fazer a pessoa pagar por isso. 2. A mescla entre mistério, suspense e comédia romântica Missing Crown Prince (ou no título provisório em português, O Desaparecimento do Príncipe) apresenta uma mistura de gêneros dentro do romance de época. Na história, o príncipe Lee Gon é raptado por uma mulher chamada Choi Myung-yoon, que é astuta e habilidosa em diversas áreas do conhecimento. E para completar: Myung-yoon é também a princesa escolhida para, futuramente, se casar com Lee Gon! Nisso, o príncipe se vê nas mãos da mulher apontada para ser sua esposa. E apesar do sequestro, a relação dos dois se tornará muito mais complexa do que o conflito mostrado inicialmente. Para além das cenas de ação e mistério sobre o desaparecimento do príncipe, o K-drama também é considerado uma comédia romântica pela dinâmica entre os personagens de Suho e a atriz Hong Ye-ji. (MBN/Reprodução) Fora isso, Missing Crown Prince terá a adição de conflitos políticos no enredo, visto que o sequestro de Lee Gon envolverá muito mais do que só a vontade de Myung-yoon em tê-lo. Será que ela, na verdade, o salvou de algo ou alguém? Confira este post: “Mr. Queen”, “O Mito de Sísifo” e outros K-dramas com viagem no tempo no enredo 3. A ascensão da atriz Hong Ye-ji e do ator Kim Min-kyu A estreia do dorama coreano apresentará ao público dois rostos que estão crescendo na dramaland: Hong Ye-ji, já citada como o par romântico de Suho, e o ator Kim Min-kyu, que terá outro papel importante no romance. (MBN/Divulgação) Este é o segundo drama da carreira de Ye-ji, e também seu segundo projeto com o gênero de época. Para quem não sabe, a atriz foi a protagonista da série Love Song for Illusion, em que contracenou ao lado do ator e cantor Park Ji-hoon. E ainda, Hong Ye-ji está no entretenimento sul-coreano há algum tempo, pois ela foi uma das participantes do reality show Produce 48 em 2018. A respeito de Kim Min-kyu, o ator novato será o personagem Dosung, também príncipe e meio-irmão de Lee Gon. Ele é fruto do segundo casamento do rei vigente, e é tido como um jovem temperamental e tão habilidoso quanto Lee Gon. Nas prévias de Missing Crown Prince, vemos que os rapazes feitos por Suho e Min-kyu são inseparáveis, e que a relação entre eles é fortemente impactada pelo sequestro do príncipe herdeiro. Será que Dosung está ligado ao rapto de seu irmão mais velho? Antes do seriado novo, Kim Min-kyu esteve no elenco das produções The Fabulous (Netflix), e Maestra: Strings of Truth. Ele também integrou o reality Produce X 101 em 2019. 4. Missing Crown Prince é um spin-off de outro K-drama famoso O Desaparecimento do Príncipe é uma estreia especial da emissora MBN, pois é um spin-off de outra série de sucesso do canal. Neste contexto, ele integra o universo da produção Bossam - Roubar o Destino, que foi ao ar em 2021. Nesse outro K-drama, um homem chamado Ba-woo (interpretado por Jung Il-woo) é um bandido que atual em casos de "bossam", uma prática criminosa da Dinastia Joseon em que mulheres viúvas eram raptadas, e forçadas a se casarem com os sequestradores. Vindo de uma realidade miserável e abjeta, Ba-woo passa a ganhar a vida como um raptor, até que se depara com a personalidade da princesa viúva Soo Kyung (Kown Yuri, do Girls' Generation). Com a missão de sequestrar a princesa, o protagonista terá seus ideais mudados pela presença da membro da realeza, e tudo poderá mudar a partir disso. Bossam - Roubar o Destino está presente no catálogo do VIKI. 5. Facilidade para achar a série no VIKI E por falar em VIKI, Missing Crown Prince estará no streaming! O seriado entrará no catálogo conforme estrear na televisão sul-coreana, e serão 20 episódios no total. No VIKI, também dá para assistir a outros K-dramas com o Suho, como Rich Man, Poor Woman e How Are You Bread. A plataforma é o lugar completo para quem adora dramas de romance. Missing Crown Prince estreia no dia 13 de abril. Você pretende ver? Não se esqueça de acompanhar o Café com Kimchi também nas redes sociais!

  • Conheça "Lovely Runner", novo K-drama de romance com ator de "Garota do Século 20"

    Com estreia em 8 de abril na Coreia, produção estrelada por Byun Woo Seok e ol Kim Hye Yoon chegará futuramente no Viki (Divulgação / tvN) Nos últimos tempos parece que uma tendência se instaurou nas produções sul-coreanas, pois a temática de viagem no tempo tem sido cada vez mais explorada, como pudemos ver em títulos recentes como O Tempo Traz Você Para Mim e 18 Outra Vez, por exemplo. E agora, Lovely Runner, nova aposta da tvN, está pronta para entrar para essa lista. Com o protagonismo de Byun Woo Seok, conhecido por atuar em Garota do Século 20 e no spin-off Strong Girl Nam-soon, o ator será parceiro de tela de Kim Hye Yoon, atriz de Extraordinary You e Sky Castle. Além disso, o roteiro é assinado por Lee Si Eun, conhecida por seu trabalho no aclamado Beleza Verdadeira, K-drama que voltou à tona ao chegar no catálogo da Netflix no ano passado. Adaptado de uma web novel chamada The Best of Tomorrow, de Gimppang, o drama tem estreia marcada para 8 de abril na Coreia e chegará posteriormente ao Brasil pelo Viki, mas não há uma data prevista. Leia também: Quem é Byeon Woo Seok, o ator que faz o vilão de "Strong Girl Nam-soon"? Qual é a história de Lovely Runner? Nessa comédia romântica acompanhamos Im Sol (Kim Hye Yoon) uma jovem que fica devastada com a morte repentina e trágica de seu cantor favorito, Ryu Sun Jae (Byun Woo Seok), um ex-nadador que se tornou um ídolo do K-pop. Mas, em meio ao seu luto, ela magicamente volta para 2008, quando Sun Jae ainda tinha apenas 19 anos de idade. Completamente tomada pela chance de ajudá-lo a evitar seu destino infeliz, Sol assume a missão de mudar o futuro e salvá-lo da tragédia. Durante esse período, os dois se aproximam, desenvolvendo uma amizade inesperada e despertando novos sentimentos. No entanto, fica uma dúvida: quais podem ser as consequências de desviar o curso do passado? Grandes nomes por trás da direção de Lovely Runner (Divulgação / tvN) Um detalhe que deixa a produção ainda mais interessante é que a direção que ficou dívida entre três diretores. Um deles é Boo Sung Chul, diretor do clássico Os Herdeiros e My Girlfriend is Gumiho, drama com Shin Min A (Hometown Cha Cha Cha) e Park Shin Hye, que está atualmente em Médicos em Colapso. Além deles, também está Yoon Jong Ho, conhecido por seu trabalho em Flower of Evil e Holo, Meu Amor. E por fim Kim Tae Yeong completa o trio, Kim não possui bagagem com grandes dramas do streaming como seus colegas, mas foi o nome responsável pelo longa-metragem Set Me Free (2014), estrelado por Choi Woo Shik (Parasita) e que lhe rendeu dois prêmios de Melhor Novo Diretor. Com uma combinação como essa por trás das câmeras, pode se imaginar que o roteiro de Lee Si Eun será aproveitado e explorado da melhor forma possível. Leia também: K-Dramas de abril de 2024: Confira os lançamentos na Netflix, Viki e Star+ Ficou curioso para assistir? Então siga o Café com Kimchi nas redes sociais para se manter atualizado sobre esse e outros lançamentos.

  • Waacking, Vogue e Tutting no K-pop

    Conheça mais sobre os estilos de dança preferidos da solista Chungha que surpreende em suas performances (Divulgação / More Vision Kr) Apesar de ainda ser um tabu no meio do entretenimento coreano, estilos de dança como o Vogue, Waacking e Tutting estão cada vez mais em evidência nas coreografias de K-pop. Um grande exemplo é da solista Chungha que, mais uma vez, apostou em movimentos inspirados nesses estilos para o seu comeback - e arrasou muito, como sempre. A versão performance vídeo de seu último lançamento, I’m Ready, do single álbum EENIE MEENIE, conta com mais de 1 milhão de visualizações no Youtube, até o fechamento desta matéria. O que impressiona é a técnica, versatilidade e qualidade audiovisual que a cantora tem entregado, mesmo após mudar de empresa no final de 2023. E não é só a Chungha que busca nesses estilos de dança inspiração para as coreografias: na verdade, desde muito tempo atrás, lá no começo da onda hallyu, dançarinos e coreógrafos de grupos e solos vêm inserindo passos de dança característicos nas apresentações como forma de não só diversificar esse meio que pode ser tão conservador, mas também para trazer uma visibilidade a movimentos culturais importantes. Mas você pode estar se perguntando: "Tá, mas como assim movimentos, visibilidade…?" Continue lendo e entenda um pouco mais sobre o Vogue, Waacking e Tutting e também vários exemplos para você conferir na prática! Vogue: a arte de posar (Reprodução / Yuehua Entertainment) Originado na cena ballroom de New York nos anos 80, o Vogue (ou voguing) é uma mistura de poses dramáticas e movimentos mais fluidos, além de focar também em expressões faciais fortes, acrobacias e braços. É também inspirado no mundo da moda (daí o nome Vogue, assim como o da revista norte-americana) e na cultura trans. Além de ser um estilo de dança, o Vogue também é considerado uma forma de expressão e empoderamento, e, no K-pop, pode ser vista, além do último lançamento da Chungha, em várias outras coreografias, como, por exemplo, em Animal, do solista Jo Kwon, um dos grandes apoiadores da comunidade LGBTQI+ na Coreia. Outro exemplo muito legal de conferir é o do hit de 2013, This Love, do boygroup SHINHWA. A coreografia tem assinatura do Choi Youngjun, grande dançarino e autor de várias dançar virais do K-pop como Super do Seventeen, além de também coreografar performances com grandes grupos de dançarinos, como no caso de “Born to Be”, do Itzy. Em This Love, vemos um boygroup dançar vários passos inspirados no Vogue e quebrar alguns padrões, já que o estilo é muitas vezes ligado à uma ideia de ser feminino, por ser elegante mas ao mesmo tempo delicado. Um ótimo exemplo pra quebrar alguns tabus, não é mesmo? Leia também: Playlist do orgulho: MVs e músicas de K-pop com histórias LGBTQ+ Os 90º do Tutting (Reprodução / SM Entertainment) Também originada dos Estados Unidos, o Tutting, diferente do Vogue, é inspirado nos hieróglifos egípcios e em poses geométricas. Ou seja, aqui, a arte está em movimentar os braços e mãos, principalmente, para fazer formas geométricas como triângulos e quadrados e, ao mesmo tempo, dar uma ideia de construção do movimento. Sendo uma das técnicas mais desafiadoras da dança, muitas vezes o Tutting pode ser combinado a outras vertentes como o Popping e Locking, que também exigem muita precisão e controle corporal dos dançarinos. Um exemplo super atual no K-pop de um dançarino com bases em Tutting e Waacking - outro estilo - , é o Sung Hanbin, membro do ZEROBASE1, que conquistou posto de favorito durante o reality show Boys Planet também por seus movimentos precisos e incríveis de Tutting. Olha só como ele arrasa: Você pode ver o Tutting também muito presente na coreografia de Naughty, da sub-unit do Red Velvet, IRENE & SEULGI. Ela foi concebida pela Spella, uma das mais proeminentes dançarinas de Tutting da Coreia. Ela também incorpora o Waacking e o Vogue em suas danças, deixando tudo mais criativo e legal de assistir. No vídeo a seguir você confere a Spella dançando os primeiros minutos da coreografia histórica de Naughty. Waacking e a força nos movimentos (Reprodução/ ADOR) E se os dois estilos anteriores já te surpreenderam, olha só como esse pode ser mais incrível ainda: o Waacking surgiu na década de 1970, também na cena LGBTQI+, em Los Angeles, porém, diferente do Vogue e o Tutting, ele é caracterizado pelos rápidos movimentos dos braços, e muito influenciado pela cultura Disco. O que o difere do Voguing, principalmente, está na dramaticidade. No Waacking, o nível de drama aumenta, além da velocidade tanto da música, quanto dos movimentos. É um estilo com mais energia na hora da dança, e, por isso, causa tanto impacto em quem vê! No K-pop, podemos ver o Waacking na coreografia criada em 2015 para Mamma Mia, do KARA, pela dançarina Bae Yoon Jung, que também foi uma das técnicas de dança dos realities Produce 101 e Produce 48. Nesse dance practice, podemos ver que, mesmo ainda tendo movimentos básicos, o estilo de dança já era impactante para quem assistia pela primeira vez. Por ser um estilo que foca na força dos movimentos, o Waacking é frequentemente incorporado em diversas coreografias para trazer um peso. É um estilo tão abrangente que até em uma música mais puxada para o rock ele combina, como foi em “Fly High” do girlgroup DREAMCATCHER. Não só no refrão, como também no dance break, é possível ver uma sequência super rápida com movimentos de Waacking, e o que mais impressiona é a habilidade das integrantes, que deixou tudo mais legal de assistir. Olha só, a partir do minuto 2:30: Leia mais: Por que o Dreamcatcher é o precursor do Rock no K-pop na Coreia do Sul? Ah! E não vamos esquecer do exemplo super atual e hitado que o K-pop apresentou: as meninas do NewJeans em Super Shy! A coreografia tem as mãos dos dançarinos Black Q e Kim Eunju, e com certeza trouxe o Waacking de volta para os holofotes. Influências no K-pop Não podemos nos enganar: sempre que sai um comeback novo, além da música em si e dos visuais, uma das partes mais esperadas é a coreografia, não é mesmo? Vários idols, inclusive, são ótimos dançarinos e também fazem parte da equipe que constrói toda a parte da dança para um grupo ou solo, como a Performance Unit do Seventeen ou a Momo, do Twice. Porém, os coreógrafos por trás de várias sequências famosas também são nomes que valem a pena conhecer. Vamos ver algum deles? Loveran (Reprodução/ OffStage) Talvez a cabeça mais pensante da lista, a Loveran é uma das dançarinas coreanas mais respeitadas quando o assunto é Voguing. Ela está por trás do hit Glitch, da Kwon Eun Bi e de Who I Am, do Weki Meki, e é muito elogiada por conseguir incorporar o Vogue nos elementos de dança já concretizados dentro das performances de K-pop. Ela começou a dançar aos 21 anos, e, depois de passar pelo Hip Hop, Popping e Waacking, Loveran finalmente chegou ao Vogue. Pela falta de profissionais do estilo onde morava, ela resolveu ser autodidata através de videos do Youtube, e, daí pra frente, alcançou grande fama no meio. A Loveran também é chamada de “Rainha do Vogue”, e já é um ícone na cena ballroom da Coreia do Sul. Veja também: 15 coreografias de K-pop fáceis de aprender Rian e LACHICA (Divulgação/ LACHICA) O LACHICA é um grupo de dança formado pela Rian, Gabee e Simeez. Elas participaram da 1ª temporada de Street Woman Fighter, onde ganharam muita notoriedade e atenção do público pelas coreografias mais sexy e com muita técnica. Como coreografas, elas já assinaram as performances para grupos como IVE, Weekly, Twice, Kepl1er, e, principalmente, para a solista Chungha. A Rian, inclusive, é uma amiga próxima da cantora, e sempre está em seus projetos de dança. Ainda, o LACHICA é creditado como coreógrafo de Gotta Go, Chica e Snapping, além dos lançamentos mais atuais I’m Ready e Eenie Meenie. Ufa, que currículo! Uma das principais produções da Chungha, por exemplo, é assinada em uma colaboração incrível da Rian com a Loveran. Para “Stay Tonight” vemos uma coreografia cheia de Waacking, Tutting e Vogue. Inclusive, como forma de dar mais visibilidade para os movimentos, durante o break, é a própria Loveran com os dançarinos quem assumem a pista. Confira: Manequeen (Divulgação/ MANNEQUEEN) Participantes da 2º temporada de Street Woman Fighter, o Mannequeen ganhou vários novos seguidores e fãs ao redor do mundo pela habilidade demonstrada principalmente durante as batalhas que rolaram no programa. Olha só a performance das dançarinas durante um dos desafios, e veja se você consegue identificar movimentos tanto do Vogue, como Tutting e do Waacking. Dentro das integrantes, três delas tiveram vídeos virais: Ceera, Yoonji e Waackxxxy. As três são prestigiadas competidoras em batalhas de dança, e possuem bases de Waacking principalmente. São nomes para acompanhar nos próximos comebacks, quem sabe não veremos a participação delas em algum? Leia também: Tudo sobre Street Woman Fighter, o reality de dança do momento — com Lia Kim e Bada Lee no elenco BABYZOO (Divulgação/BABYZOO) Membro da YGX, equipe de dança da YG, BABYZOO foi um dos principais diretores da coreografia de Fast Foward, hit da solista SOMI. O dançarino ganhou muita atenção nas redes sociais pelos videos virais não só dessa música, mas também pela performance de Call Me Mother,  música do ator e DragQueen RuPaul. "Peraí, o que?" Isso mesmo que você leu! Vamos pelo contexto, que vem com um personagem lá de cima do texto: Sung Hanbin, o integrante do ZB1. Ele ficou tão famoso enquanto estava no reality, que os fãs reviveram vídeos pré-debut do gato, e o mais famoso acabou sendo ele em uma aula do BABYZOO, performando a música do RuPaul. O vídeo virou até meme, e trouxe mais visibilidade para todos: para o boygroup, para a música e também pro coreógrafo! Depois do boom nas redes sociais, ele voltou a dar workshops da coreografia de 4 anos atrás! O mundo dá voltas, né? Confere aí, a partir do minuto 3:43, a participação do Hanbin: Em um mundo em que o K-pop ainda replica valores muito conservadores, a coreografia de Fast Foward da SOMI surgiu como uma luz para quem não aguentava mais a mesmice, e que queria ver algo diferente nos artistas. Numa junção de estilos, a coreografia também foi concebida pelo americano Kiel Tutin, dançarino que já coreografou Blackpink e Twice, e Aya Sato, coreógrafa japonesa. O mais legal de Fast Foward acaba sendo essa junção de estilos de todos os cantos do mundo, mas que são traduzidos pela dança. Leia também: Como o K-pop utiliza da língua de sinais para gerar inclusão? São vários exemplos que ficaram de fora da matéria, como o Shinee fazendo um Tutting incrível em “Lucifer”, as meninas do Everglow descendo até o chão em La Di Da ou um lançamento mais atual, o Ten do NCT e WayV arrasando em Nightwalker. Mas o mais divertido para quem gosta de dança acaba sendo isso: identificar nos artistas preferidos as influências dos estilos que conhece e ir atrás daqueles que não sabe muito sobre. A Coreia tem evoluído muito nesse quesito, de trazer coisas novas, e esperamos que isso seja uma tendência daqui pra frente! Mas conta aí, o Café está curioso: quais outras coreografias você consegue identificar passos deTutting, Vogue ou Waacking?

  • Review | Com EP visual, Bang Yongguk faz comeback com frescor e mostra um lado diferente em "3"

    Rapper e ex-integrante do B.A.P comemorou seu aniversário e presenteou os fãs com cinco faixas inéditas (Divulgação / YYEntertainment) O último dia 31 foi um dia duplamente especial para os fãs de Bang Yongguk, rapper e ex-integrante do B.A.P. No dia em que completou seus 34 anos também foi liberado seu tão esperado EP intitulado 3, com cinco faixas inéditas, fazendo um comeback em forma de presente depois de quase 1 ano desde o lançamento de seu segundo mini álbum THE COLORS OF LOVE. Além do retorno na música, a YYEntertainment também havia anunciado sua turnê, a III’ US tour, que tem início marcado para 5 de abril e contará com o total de 11 shows ao grandes cidades. Bom, apesar da extensa bagagem adquirida como líder do B.A.P, o artista tem uma carreira solo relativamente recente, mas seus trabalhos não tem nada de novato. Desde que fez seu, digamos, debut solo oficial em 2019 com HIKIKOMORI, ele vem mostrando suas habilidades tanto como rapper quanto como compositor. Agora, em seu terceiro EP, está mais do que claro que ele está confortável com seus objetivos e estilo pessoal e em 3, Yongguk mostra um lado diferente e fresco, numa combinação agradável de gêneros. Continue lendo a matéria para saber o que o Café com Kimchi achou do projeto completo! "3": um álbum visual, simples e funcional (Divulgação / YY Entertainment) Antes de começar, vale ressaltar que todas as cinco faixas do EP foram compostas, escritas ou arranjadas por Yongguk. E a que ganhou o posto de faixa título foi MOVIMIENTO, que traz um nome autoexplicativo de uma música embalada no ritmo do estilo House, famoso no início dos anos 1980 e que é completamente atemporal, por isso funciona tão bem nesta faixa. A letra pode não necessariamente ficar na sua cabeça, mas o instrumental tem o potencial de te fazer escutar até o fim, que é um dos detalhes mais importantes de uma faixa título, certo? Se não você não escuta a abertura de um EP até o final, provavelmente vai deixá-lo de lado na metade. O clipe traz um Yongguk solto e dançante, algo que chamou atenção até mesmo dos fãs que ficaram admirados com esse novo lado. Sem muitas firulas, trocas de figurinos ou cenários, apenas seus movimentos, este é o clipe de MOVIMIENTO. Logo em seguida temos BAD, única música com parceria e que traz a voz da solista YOUHA. De cara, a bateria e as cordas de um guitarra abrem espaço para um pop rock que fica ainda mais interessante com o contraste da voz grave do rapper e o timbre doce da cantora. O refrão repetitivo é feito para grudar na cabeça e sinceramente, tem tanto potencial de title track quanto a escolhida por ele. Leia também: Review | Candy Shop faz debut um pouco confuso no K-pop, mas pode evoluir De um rock super gostoso de ouvir o ouvinte é levado para IXLU, que não possui nada muito elaborado, mas que por algum motivo - que me deixou questionando até agora - funciona e me deu vontade de adicionar em uma playlist. Com um instrumental de batidas simples, acho que o crédito pode ficar com o refrão e a voz marcante de Yongguk que são o bastante para você gostar da música. No entanto, apesar de ser um das que mais me agradou, não é o ponto alto do EP. No MV, ele parece estar dentro do castelo que aparece em MOVIMIENTO, o que dá uma sensação divertida de imersão. NUMB é a quarta música e sinceramente, apesar de considerá-la boa, foi a que menos se destacou até aqui. Sempre tem uma faixa que fica esquecida e um lançamento e que você escuta menos e para mim essa é NUMB. Não tem nada que prenda o ouvinte e por mais que ela também tenha um instrumental simples como as anteriores, parece que aqui a produção foi simples demais e não tem potencial de cativar, entregando apenas aquela sensação de “maneirinho”. Agora, BUSS IT DOWN foi um dos pontos altos do EP! Ela é quela música que ao começar você já sabe que vai gostar e acredito que a responsabilidade por esse feito deva ser dada ao instrumental, que mais uma vez é comum, mas se destaca pelo uso de graves que combina com a voz de Yongguk num casamento perfeito, como se seus vocais e o som de fundo fosse um só. Mas afinal, é bom? Para adiantar a curiosidade: sim, é bom, mas não é inovador. Claro, não serei exigente assim, pois a verdade é que poucos conseguem ser inovadores numa indústria como a do K-pop. 3 é um projeto visual, então todas as músicas ganharam um MV individual e além disso, todos eles também foram compilados em um único vídeo que faz transição de cada um mostrando os bastidores e a movimentação da equipe de um local de gravação para o outro. Essa é uma ferramenta interessante que deixou o conjunto com cara de algo caseiro e intimista, principalmente porque fica claro que as gravações não envolveram uma grande produção, maquinários e coisas do tipo. “Quebra, desafio e vitalidade. nos sentimos vivos em todos os novos trabalhos” essa é a frase que aparece no início do compilado visual do EP. Por mais que as fotos conceituais divulgadas possam ter dado a ideia de que seu novo projeto teria uma energia mais dark e pesada, como já foi feito por ele anteriormente, as músicas dizem o contrário. Leia também: Conheça ILLIT, novo grupo da HYBE que promete marcar a 5ª geração do K-pop Este é um comeback fresco, justamente por trazer esse lado leve de Youngguk, que deixa o rap pesado um pouco de lado e explora os vocais e a mistura de gênero que vai do rock pop ao house. Há cerca de um mês atrás, o rapper deu uma entrevista ao AllKpop falando um pouco sobre o processo de produção do EP e uma prévia do que seria liberado no fim de março. Ele mesmo confessou: “mudei o gênero e o estilo da música que eu costumava fazer. Eu acho que o gênero musical normal que eu fazia tendia a ser difícil para meus fãs ouvirem por muito tempo em suas vidas diárias”. Ao experimentar novas possibilidades, Yongguk renova sua vitalidade na música, assim como consegue atrair um novo público, que não o conheceu por seu estilo marcante em trabalhos como RACE, por exemplo, mas que podem gostar do ritmo animado e dançante de MOVIMIENTO. “Acho que me conheço melhor do que qualquer outra pessoa. Isso é meio difícil às vezes, e essa é minha falha. Mas acho que tenho isso sob controle e continuarei fazendo isso até morrer”. O rapper, nessa mesma entrevista, disse que o objetivo era ter músicas que o público pudesse escutar no dia a dia, e depois de experimentar '3' eu digo que ele cumpriu sim essa missão. Mas e você, o que achou deste comeback? Conte para gente nos comentário!

  • K-Dramas de abril de 2024: Confira os lançamentos na Netflix, Viki e Star+

    “Sem Sangue” e outras produções envolvendo ficções científicas, suspense e comédia dominam os serviços de streaming no quarto mês do ano (Divulgação / Star+) Abril chegou, e com ele diversas novas séries coreanas chegam aos streamings. Para o quarto mês do ano, as produções variam entre diversos gêneros amados pela a dramaland, como ação, ficção científica, fantasia e romance. Os dramas estarão em plataformas como Netflix, Star+ e Viki. Mas antes, não podemos esquecer que março foi marcado por produções incríveis como Rainha das Lágrimas, e a comédia Chicken Nugget. Agora, não deixe de conferir o que está por vir! Leia também: Tudo sobre "Chicken Nugget", e motivos para assistir o novo K-drama da Netflix Novos K-dramas chegam aos streamings Netflix Parasyte: The Grey (05/04) Gêneros: ficção científica, ação 6 episódios Nesse novo drama coreano de ficção científica, parasitas surgem na terra e começam a se hospedar em corpos humanos e controlar suas mentes de corpos. Choi Joon Kyung (Lee Jung Hyun) perdeu o marido para esse ser misterioso e por isso, é a líder da operação para combater os parasitas. Leia também: Viagem no tempo, alienígenas e mais: 10 doramas de ficção científica na Netflix e outros streamings Adeus, Terra (26/04) Gêneros: suspense, drama 12 episódios Adaptado da novela japonesa, Adeus, Terra mostra o mundo entrando em colapso após a população descobrir que em 200 dias a Terra será destruída. Com essa informação, a professora Jin Se Kyung (Ahn Eun-jin) decide dedicar os dias finais protegendo seus alunos. Seu namorado, o pesquisador Ha Yoon Sang (Yoo Ah-in de Hellbound) deixa seu trabalho nos Estados Unidos para passar o fim dos tempos com Se Kyung. Os personagens farão o que puderem para viver os últimos dias. (Divulgação / Netflix) Star+ Sem Sangue (10/04) Gêneros: drama, ficção científica 10 episódios BF é uma empresa que cultiva carne geneticamente e promove o fim do consumo de proteína animal. Porém, dúvidas começam a surgir acerca da Yoon Ja Yoo (Han Hyo Joo), CEO da revolucionária empresa. Viki Adorável Corredora (08/04) Gêneros: romance, fantasia 16 episódios Seguindo uma das tendências entre as produções, Adorável Corredor tem viagem no tempo como temática. O drama conta a história de Im Sol (Kim Hye Yoon), que sofre a perda de Ryu Sun Jae (Byun Woo Seok), um ex-nadador que se tornou ídolo do K-pop. Mas o que ela não esperava, é que voltaria no tempo, para 2008, quando Sun Jae ainda tinha apenas 19 anos. Assim, a garota tem a chance de salvá-lo de seu destino cruel. Adorável Corredor é baseado no web novel The Best of Tomorrow de Kim Bbang. Leia também: “Mr. Queen”, “O Mito de Sísifo” e outros K-dramas com viagem no tempo no enredo Missing Crown Prince (13/04) Gêneros: histórico, comédia 20 episódios Suho do EXO finalmente fará seu retorno como ator, interpretando o príncipe herdeiro Yi Gun em nova série coreana de época. Em Missing Crown Prince, Yi Gun desaparece, levando o reino de Joseon a desordem. Choi Myung Yoon (Hong Ye Ji) é a responsável pelo sumiço do príncipe. Porém com o tempo que passam juntos, ambos começam a se apaixonar pelo outro. Sendo assim, o príncipe começa a sentir que sua sequestradora pode se tornar sua futura esposa. Meninos, Sejam Corajosos! (19/04) Gêneros: cotidiano, romance 8 episódios O BL Meninos, Sejam Corajosos é baseado no webtoon Can’t Confess de Seok Young. Nele, Jung Ki Sub (Nam Shi An) é apaixonado por seu amigo Kim Jin Woo (Kim Sung Hyun). Mas esconder seu amor por ele se torna mais difícil quando Ki Sub pede para morarem juntos, assim, a paixão por seu novo colega de quarto acaba só aumentando. Produções para ver fora dos streamings: Chief Detective 1958 (19/04) Gêneros: ação, comédia 10 episódios Inspirado na série coreana de mesmo nome, porém lançada em 1971, Chief Detective 1958 conta a história de Park Young Han (Lee Je Hoon), um jovem detetive revoltado com a realidade do mundo. Ele se une a outros investigadores para tentarem juntos combater o crime e lutarem pelo fim da desigualdade.

  • Review | Candy Shop faz debut um pouco confuso no K-pop, mas pode evoluir

    Girlgroup da Brave Entertainment, lançado em março, deve seguir o legado deixado pelo BB Girls na companhia (Brave Entertainment/Divulgação) Quando saiu o anúncio de que a Brave Entertainment lançaria um novo girlgroup, criou-se no imaginário do K-pop o conjunto que carregaria o legado do Brave Girls. Apesar de ainda estar ativo, o atual BB Girls é agenciado por outra empresa agora; e coube ao inédito Candy Shop dar continuidade à trajetória dos atos femininos na agência original. Contudo, a estreia do quarteto é interferida por uma falta de distinção do que está sendo feito. A title track, Good Girl, foi divulgada no dia 27 de março com o EP Hashtag#, e os visuais do Candy Shop são impressionantes. Mas um MV bem-produzido não é o suficiente para acobertar uma canção, e um conceito ainda não definidos com clareza. A faixa Good Girl parece inspirada no hip-hop realizado pelo próprio Brave Girls, misturado ao tropical house que fez muito sucesso na transição da 2ª para a 3ª geração do K-pop. E a mescla de gêneros não é por acaso, visto que resgates nostálgicos são uma tendência ascendente na indústria há alguns anos já. Porém, o que poderia ser classificado como uma divertida summer jam é forçado a mergulhar no jersey club que, a gente queira ou não, é um estilo encrustado no K-pop sem data para ir embora. A title do Candy Shop deseja ser mais de uma coisa ao mesmo tempo, o que a deixa na linha tênue entre as tendências atuais e a melodia que agradaria os saudosistas circa 2016 para trás. Title confusa do Candy Shop, porém, não abona o espaço para crescer Mesmo que Good Girl não tenha sido a forma mais elegante de debutar o grupo, o álbum Hashtag# conta com as pérolas No Fake e Candy#, que são bem mais distintas em suas propostas, contagiantes e muito convidativas para se conhecer. São faixas pop melhores que a title track em níveis elevados, mas que ficaram ofuscadas pela música principal — aquela que será mais escutada pelo público geral, no fim das contas. Inclusive, a b-side Candy# é a que mais se aproxima do estilo acalorado das músicas de verão que a 2nd e a 3rd gen costumavam entregar no passado. Se os Brave Brothers pretendem emular o girl crush arrebatador de atos como Sistar, Secret, EXID ou até do próprio BB Girls, é por este caminho que deve seguir. Leia também: Conheça ILLIT, novo grupo da HYBE que promete marcar a 5ª geração do K-pop Em time que potencialmente pode ganhar, o Candy Shop deve lançar algo que explicita para o que veio. E a falta de tal obviedade está presente até no MV do debut: o puro suco da geração Z com a insistência no Y2K e nas coreografias otimizadas para o TikTok. A Brave Entertainment teve em casa o grupo que reviveu os hits de verão na Coreia com Rollin', sabe? Onde estão as titles com atitude? E nada disso é "culpa" das integrantes, pois o conceito e as canções são uma concepção entregues pela empresa. Entretanto, misturar tantos estilos sob o pretexto de que um grupo é "versátil" pode ser um erro, e uma armadilha que leva muitos conjuntos atuais do K-pop a caírem numa plastificação de lançamentos. Nisso, o Candy Shop pode se elevar em relação aos outros grupos da recente 5ª geração se tiver o direcionamento certo para o que deseja fazer. Dessa maneira, a proposta das meninas será mais impactante e curiosa. Elas ainda podem evoluir. Ouça ao EP Hashtag# do Candy Shop abaixo:

  • "A Inconveniente Loja de Conveniência" é um espaço de cura e reforça o valor da segunda chance

    O best-seller de Kim Ho-yeon é um "healing fiction" que tem muito a dizer sobre a vida (Bertrand Brasil/Reprodução) Os "healing fictions" tem se destacado entre os subgêneros de livros nos últimos meses. A nova categoria reúne leituras que abordam situações do cotidiano e fornecem um momento confortável ao leitor, E, sem dúvidas, ver a mudança na trajetória dos personagens de A Inconveniente Loja de Conveniência é reconfortante, principalmente ao perceber que um espaço tão comum consegue ajudá-los a ter uma outra perspectiva sobre a vida. A Inconveniente Loja de Conveniência de Kim Ho-yeon chegou ao Brasil pelo selo Bertrand Brasil da Editora Record no final de 2023; O best-seller sul-coreano de 270 páginas aborda a importância da empatia, segundas chances e como as pessoas podem aprender umas com as outras. Retratando como a vida é um eterno aprendizado! Na trama, conhecemos Dok-go, um homem em situação de rua que passa seus dias na Estação de Seul, e não lembra nem sobre o seu passado, muito menos qual foi sua última refeição descente. Sua vida toma outro rumo quando encontra um bolsinha com documentos e carteira de uma senhora e faz de tudo para devolvê-la. Como recompensa pela honestidade, a senhora o leva até a sua loja de conveniência e pede para que ele apareça sempre que sentir fome e pegar uma marmita de graça. Não demora muito para que Dok-go esteja inserido na vida da senhora, dos funcionários e clientes da loja de conveniência. Leia também: "Amêndoas", livro da autora Sohn Won-pyung, retrata emoções onde você não pode encontrá-las A confiança é a base no livro de Ho-yeon A loja de conveniência da franquia Always no bairro de Cheongpa-dong em Seul não é movimentada, possuem alguns clientes fieis e não é muito lucrativa, mas nada disso abala a proprietária, a senhora Yeom. A mulher de meia idade possui uma grande bagagem de vida: professora de história aposentada, mãe de dois filhos e faz o seu melhor para manter a loja de conveniência, não só para se manter ativa, mas também pelo bem de seus poucos funcionários. Naquele dia específico, a senhora Yeom não imaginou que sua vida fosse mudar tanto apenas ao comprar passagens de trem na Estação de Seul. É um sentimento desesperador notar que algo está faltando, principalmente quando se trata de uma bolsinha com dinheiro e documentos. Felizmente, o desespero foi cortado pelo som do toque do celular que recebia uma ligação de um telefone público. O caminho da senhora Yeom se cruzou com o de um homem em situação de rua capaz de conquistar sua confiança ao proteger a bolsinha perdida e garantir que fosse entregue. O homem em questão mais tarde foi nomeado de Dok-go que sofre com perda de memória e não se recorda de coisas simples de seu passado, como seu nome e o motivo que o levou a Estação de Seul. O homem ofereceu honestidade e em troca recebeu confiança — e algumas marmitas na loja de conveniência e pouco depois um emprego, após salvar a aposentada novamente. Obviamente, Dok-go não é bem aceito a primeira vista, com exceção da senhora Yeom, devido a sua aparência e lugar que tinha vindo. Leia também: “Bem-Vindos à Livraria Hyunam-dong” é uma agridoce viagem em busca da cura pessoal e coletiva A loja de conveniência é um refúgio inesperado Depois que Dok-go é levado pela primeira vez na loja de conveniência de Cheongpa-dong grande parte dos acontecimentos do livro passam a ser ambientados naquele pequeno e aconchegante local. E logo vemos que a senhora Yeom não teve a oportunidade de apenas mudar a vida de Dok-go, mas seu gesto permitiu que outras pessoas pudessem ter uma outra perspectiva de vida graças ao novo funcionário de meio período do turno da noite. A cada capítulo conhecemos mais afundo sobre os problemas de um personagem, seja funcionário ou cliente. Dok-go escuta aqueles que não tem com quem desabafar e oferece uma visão diferente para seus problemas. Por mais óbvias que pareçam, muitos não conseguem a chegar a essas conclusões sozinhos. Temos uma jovem que apenas precisava confiar em seus talentos, uma mãe que deveria ouvir as aflições do filho e um homem que poderia ter notado antes o quanto sua família é calorosa. Todos chegaram a estas conclusões após conversas com Dok-go. A primeira vista, a loja de conveniência pode parecer inconveniente, seja pela falta de lucros ou pelo novo funcionário e seu comportamento incomum. Na verdade, o jeito como Dok-go lida com as pessoas no local tornam a loja de conveniência um lugar especial e acabam o ajudando em seu próprio processo de autoconhecimento e cura. Acompanhar Dok-go é instigante, não importa quem pergunte ou quanto tempo passe de leitura, ele não consegue se lembrar do passado. Através dele temos um reflexo de como a situação de rua o afetou, seja pela forma brusca de lidar com certas situações, a gagueira pela falta de estímulos da fala ou o apagamento na sociedade, que inclusive pode servir como metáfora para o apagamento de suas memórias. Ao longo das páginas, Dok-go ajuda diferentes pessoas com seus problemas, mas não sabemos como estas interações o afetam e se estamos mais perto ou longe de descobrir sobre seu passado. Como a paz não dura por muito tempo, o filho ganancioso da senhora Yeom decide dar as caras em busca de convencer a mãe a vender a loja novamente. O homem não tem um bom primeiro encontro com Dok-go e para tirar tanto o novo funcionário, quanto a loja de seu caminho, decide contratar um investigador para descobrir o passado do trabalhador, o obrigando a encarar o que por tanto tempo preferiu esquecer. Nesse processo ocorre uma mudança na narrativa, o livro narrado em terceira pessoa desde o começo passa para primeira pessoa e finalmente temos a perspectiva do funcionário do turno da noite. No último capítulo vemos como todos os eventos afetaram Dok-go e o ajudaram em sua própria trajetória. É instigante vê-lo reunir cada fragmento de memória e como certos eventos do cotidiano o ajudaram nisso, apesar de estarmos sempre vendo-o ao longo das paginas, o homem não deixava transparecer para nós ou para as pessoas com quem interagia o sofrimento e o medo a cada lembrança. A loja de conveniência não poderia ser mais conveniente para o aprendizado do homem e como parte da sua segunda vida. Ver a evolução do Dok-go é, sem dúvidas, construção de personagem mais emocionante de todo o livro. No fim, percebemos que tudo foi muito bem conectado e o livro não poderia ter tido um desfecho melhor. A sensação do final é como recebêssemos um abraço da senhora Yeom. Leia também: “De Volta aos Anos 90” é um retrato das dificuldades dos imigrantes e de uma família coreana Em termos de leitura, certas páginas conhecemos a importância das lojas de conveniência na cultura coreana e somos apresentados a novos termos comuns no ramo. É o tipo de leitura que pode parecer cansativa em alguns momentos, já que a cada capítulo conhecemos uma nova pessoa com um problema a ser solucionado. Com exceção dos mistérios em torno do passado de Dok-go, a leitura é bem linear, mas definitivamente vale a pena ser lido até o final.

bottom of page