top of page

Waacking, Vogue e Tutting no K-pop

Conheça mais sobre os estilos de dança preferidos da solista Chungha que surpreende em suas performances


Foto de divulgação de I'm Ready da cantora solo Chungha
(Divulgação / More Vision Kr)

Apesar de ainda ser um tabu no meio do entretenimento coreano, estilos de dança como o Vogue, Waacking e Tutting estão cada vez mais em evidência nas coreografias de K-pop. Um grande exemplo é da solista Chungha que, mais uma vez, apostou em movimentos inspirados nesses estilos para o seu comeback - e arrasou muito, como sempre.


A versão performance vídeo de seu último lançamento, I’m Ready, do single álbum EENIE MEENIE, conta com mais de 1 milhão de visualizações no Youtube, até o fechamento desta matéria. O que impressiona é a técnica, versatilidade e qualidade audiovisual que a cantora tem entregado, mesmo após mudar de empresa no final de 2023.



E não é só a Chungha que busca nesses estilos de dança inspiração para as coreografias: na verdade, desde muito tempo atrás, lá no começo da onda hallyu, dançarinos e coreógrafos de grupos e solos vêm inserindo passos de dança característicos nas apresentações como forma de não só diversificar esse meio que pode ser tão conservador, mas também para trazer uma visibilidade a movimentos culturais importantes.


Mas você pode estar se perguntando: "Tá, mas como assim movimentos, visibilidade…?" Continue lendo e entenda um pouco mais sobre o Vogue, Waacking e Tutting e também vários exemplos para você conferir na prática!


Vogue: a arte de posar


Performance do grupo Everglow para a música La Di Da
(Reprodução / Yuehua Entertainment)

Originado na cena ballroom de New York nos anos 80, o Vogue (ou voguing) é uma mistura de poses dramáticas e movimentos mais fluidos, além de focar também em expressões faciais fortes, acrobacias e braços. É também inspirado no mundo da moda (daí o nome Vogue, assim como o da revista norte-americana) e na cultura trans.


Além de ser um estilo de dança, o Vogue também é considerado uma forma de expressão e empoderamento, e, no K-pop, pode ser vista, além do último lançamento da Chungha, em várias outras coreografias, como, por exemplo, em Animal, do solista Jo Kwon, um dos grandes apoiadores da comunidade LGBTQI+ na Coreia.



Outro exemplo muito legal de conferir é o do hit de 2013, This Love, do boygroup SHINHWA. A coreografia tem assinatura do Choi Youngjun, grande dançarino e autor de várias dançar virais do K-pop como Super do Seventeen, além de também coreografar performances com grandes grupos de dançarinos, como no caso de “Born to Be”, do Itzy.


Em This Love, vemos um boygroup dançar vários passos inspirados no Vogue e quebrar alguns padrões, já que o estilo é muitas vezes ligado à uma ideia de ser feminino, por ser elegante mas ao mesmo tempo delicado.


Um ótimo exemplo pra quebrar alguns tabus, não é mesmo?





Os 90º do Tutting


(Reprodução / SM Entertainment)

Também originada dos Estados Unidos, o Tutting, diferente do Vogue, é inspirado nos hieróglifos egípcios e em poses geométricas. Ou seja, aqui, a arte está em movimentar os braços e mãos, principalmente, para fazer formas geométricas como triângulos e quadrados e, ao mesmo tempo, dar uma ideia de construção do movimento.


Sendo uma das técnicas mais desafiadoras da dança, muitas vezes o Tutting pode ser combinado a outras vertentes como o Popping e Locking, que também exigem muita precisão e controle corporal dos dançarinos. 


Um exemplo super atual no K-pop de um dançarino com bases em Tutting e Waacking - outro estilo - , é o Sung Hanbin, membro do ZEROBASE1, que conquistou posto de favorito durante o reality show Boys Planet também por seus movimentos precisos e incríveis de Tutting.


Olha só como ele arrasa:



Você pode ver o Tutting também muito presente na coreografia de Naughty, da sub-unit do Red Velvet, IRENE & SEULGI. Ela foi concebida pela Spella, uma das mais proeminentes dançarinas de Tutting da Coreia. Ela também incorpora o Waacking e o Vogue em suas danças, deixando tudo mais criativo e legal de assistir.


No vídeo a seguir você confere a Spella dançando os primeiros minutos da coreografia histórica de Naughty.





Waacking e a força nos movimentos


Print do Dance Practice da música Super Shy do grupo NewJeans

(Reprodução/ ADOR)


E se os dois estilos anteriores já te surpreenderam, olha só como esse pode ser mais incrível ainda: o Waacking surgiu na década de 1970, também na cena LGBTQI+, em Los Angeles, porém, diferente do Vogue e o Tutting, ele é caracterizado pelos rápidos movimentos dos braços, e muito influenciado pela cultura Disco.


O que o difere do Voguing, principalmente, está na dramaticidade. No Waacking, o nível de drama aumenta, além da velocidade tanto da música, quanto dos movimentos. É um estilo com mais energia na hora da dança, e, por isso, causa tanto impacto em quem vê!


No K-pop, podemos ver o Waacking na coreografia criada em 2015 para Mamma Mia, do KARA, pela dançarina Bae Yoon Jung, que também foi uma das técnicas de dança dos realities Produce 101 e Produce 48.


Nesse dance practice, podemos ver que, mesmo ainda tendo movimentos básicos, o estilo de dança já era impactante para quem assistia pela primeira vez.



Por ser um estilo que foca na força dos movimentos, o Waacking é frequentemente incorporado em diversas coreografias para trazer um peso. É um estilo tão abrangente que até em uma música mais puxada para o rock ele combina, como foi em “Fly High” do girlgroup DREAMCATCHER


Não só no refrão, como também no dance break, é possível ver uma sequência super rápida com movimentos de Waacking, e o que mais impressiona é a habilidade das integrantes, que deixou tudo mais legal de assistir.


Olha só, a partir do minuto 2:30:




Ah! E não vamos esquecer do exemplo super atual e hitado que o K-pop apresentou: as meninas do NewJeans em Super Shy! A coreografia tem as mãos dos dançarinos Black Q e Kim Eunju, e com certeza trouxe o Waacking de volta para os holofotes.



Influências no K-pop


Não podemos nos enganar: sempre que sai um comeback novo, além da música em si e dos visuais, uma das partes mais esperadas é a coreografia, não é mesmo? Vários idols, inclusive, são ótimos dançarinos e também fazem parte da equipe que constrói toda a parte da dança para um grupo ou solo, como a Performance Unit do Seventeen ou a Momo, do Twice.


Porém, os coreógrafos por trás de várias sequências famosas também são nomes que valem a pena conhecer. Vamos ver algum deles?


Loveran


(Reprodução/ OffStage)


Talvez a cabeça mais pensante da lista, a Loveran é uma das dançarinas coreanas mais respeitadas quando o assunto é Voguing. Ela está por trás do hit Glitch, da Kwon Eun Bi e de Who I Am, do Weki Meki, e é muito elogiada por conseguir incorporar o Vogue nos elementos de dança já concretizados dentro das performances de K-pop.


Ela começou a dançar aos 21 anos, e, depois de passar pelo Hip Hop, Popping e Waacking, Loveran finalmente chegou ao Vogue. Pela falta de profissionais do estilo onde morava, ela resolveu ser autodidata através de videos do Youtube, e, daí pra frente, alcançou grande fama no meio.


A Loveran também é chamada de “Rainha do Vogue”, e já é um ícone na cena ballroom da Coreia do Sul.






Rian e LACHICA


Foto promocional do grupo de dança LACHICA

(Divulgação/ LACHICA)


O LACHICA é um grupo de dança formado pela Rian, Gabee e Simeez. Elas participaram da 1ª temporada de Street Woman Fighter, onde ganharam muita notoriedade e atenção do público pelas coreografias mais sexy e com muita técnica.


Como coreografas, elas já assinaram as performances para grupos como IVE, Weekly, Twice, Kepl1er, e, principalmente, para a solista Chungha. A Rian, inclusive, é uma amiga próxima da cantora, e sempre está em seus projetos de dança.


Ainda, o LACHICA é creditado como coreógrafo de Gotta Go, Chica e Snapping, além dos lançamentos mais atuais I’m Ready e Eenie Meenie. Ufa, que currículo!



Uma das principais produções da Chungha, por exemplo, é assinada em uma colaboração incrível da Rian com a Loveran. Para “Stay Tonight” vemos uma coreografia cheia de Waacking, Tutting e Vogue. Inclusive, como forma de dar mais visibilidade para os movimentos, durante o break, é a própria Loveran com os dançarinos quem assumem a pista.


Confira:




Manequeen


(Divulgação/ MANNEQUEEN)


Participantes da 2º temporada de Street Woman Fighter, o Mannequeen ganhou vários novos seguidores e fãs ao redor do mundo pela habilidade demonstrada principalmente durante as batalhas que rolaram no programa.


Olha só a performance das dançarinas durante um dos desafios, e veja se você consegue identificar movimentos tanto do Vogue, como Tutting e do Waacking.



Dentro das integrantes, três delas tiveram vídeos virais: Ceera, Yoonji e Waackxxxy. As três são prestigiadas competidoras em batalhas de dança, e possuem bases de Waacking principalmente. São nomes para acompanhar nos próximos comebacks, quem sabe não veremos a participação delas em algum?





BABYZOO


BABYZOO dançarino

(Divulgação/BABYZOO)


Membro da YGX, equipe de dança da YG, BABYZOO foi um dos principais diretores da coreografia de Fast Foward, hit da solista SOMI. O dançarino ganhou muita atenção nas redes sociais pelos videos virais não só dessa música, mas também pela performance de Call Me Mother,  música do ator e DragQueen RuPaul


"Peraí, o que?" Isso mesmo que você leu! Vamos pelo contexto, que vem com um personagem lá de cima do texto: Sung Hanbin, o integrante do ZB1. Ele ficou tão famoso enquanto estava no reality, que os fãs reviveram vídeos pré-debut do gato, e o mais famoso acabou sendo ele em uma aula do BABYZOO, performando a música do RuPaul.


O vídeo virou até meme, e trouxe mais visibilidade para todos: para o boygroup, para a música e também pro coreógrafo! Depois do boom nas redes sociais, ele voltou a dar workshops da coreografia de 4 anos atrás! O mundo dá voltas, né?


Confere aí, a partir do minuto 3:43, a participação do Hanbin:



Em um mundo em que o K-pop ainda replica valores muito conservadores, a coreografia de Fast Foward da SOMI surgiu como uma luz para quem não aguentava mais a mesmice, e que queria ver algo diferente nos artistas. 


Numa junção de estilos, a coreografia também foi concebida pelo americano Kiel Tutin, dançarino que já coreografou Blackpink e Twice, e Aya Sato, coreógrafa japonesa. O mais legal de Fast Foward acaba sendo essa junção de estilos de todos os cantos do mundo, mas que são traduzidos pela dança.




São vários exemplos que ficaram de fora da matéria, como o Shinee fazendo um Tutting incrível em “Lucifer”, as meninas do Everglow descendo até o chão em La Di Da ou um lançamento mais atual, o Ten do NCT e WayV arrasando em Nightwalker.


Mas o mais divertido para quem gosta de dança acaba sendo isso: identificar nos artistas preferidos as influências dos estilos que conhece e ir atrás daqueles que não sabe muito sobre. A Coreia tem evoluído muito nesse quesito, de trazer coisas novas, e esperamos que isso seja uma tendência daqui pra frente!


Mas conta aí, o Café está curioso: quais outras coreografias você consegue identificar passos deTutting, Vogue ou Waacking?


93 visualizações

Posts Relacionados

Comments


bottom of page